Menina é decapitada pelo padrasto e pai biológico faz desabafo sobre o ocorrido: “Quero justiça”

Steven Roger Galvão, pai de Maria Clara, de 1 ano e 3 meses, comentou sobre o assassinato da menina pelo padrasto e comentou que agora quer os filhos próximos dele 24h por dia

Resumo da Notícia

  • O padrasto confessou o assassinato de Maria Clara, de 1 ano e 3 meses na última terça-feira. O enterro foi realizado na última quinta-feira, 15 de outubro
  • O pai biológico da menina se pronunciou, assim como o tio da pequena, sobre o ocorrido e disse que o que ele mais quer é justiça
  • Steven, o pai da pequena, tem outros dois filhos com a ex-mulher e falou que agora vai passar 24h ao lado deles

Maria Clara, de 1 ano e 3 meses, foi assassinada pelo padrasto em Pindamonhangaba, interior de São Paulo. O pai da menina cobrou a punição para o suspeito do crime.

-Publicidade-

O padrasto registrou o desaparecimento da menina na última terça-feira, 13 de outubro, alegando que tinha deixado a menina com um cidadão que estava no ponto de ônibus para ir ao banheiro e quando voltou ela não estava mais lá. No entanto, só depois  de 6 horas do ‘sequestro’ ele resolveu ir à delegacia.

A investigação conseguiu desmentir o homem com imagens de câmeras de segurança que mostravam que ele estava mentindo, e ‘pego no pulo’ ele confessou na mesma hora o assassinato. Quando o pai biológico, Steven Roger Galvão, recebeu a notícia afirmou:  “A hora que recebi a notícia, cortou o coração. Não tem cabimento o que ele fez com minha filha. Quero justiça. O que mais quero é justiça e estar com meus filhos 24 horas ao meu lado”.

-Publicidade-
A menina tinha apenas 1 ano e 3 meses (Foto: Reprodução/ Metrópoles)

Na última quinta-feira, 15 de outubro, a criança foi enterrada e comoveu a cidade, que apareceu na porta do cemitério municipal. O tio de Maria Clara também se pronunciou sobre o ocorrido: “A gente não sabe o que levou ele a fazer isso, mas não faz sentido perguntar. Ela era uma bebê indefesa. O que podia fazer? Esperamos que a justiça não falhe e que ele pague pelo que fez”.

Quando o padrasto confessou o assassinato e apontou o lugar do crime onde a polícia encontrou a menina decapitada com a cabeça próxima ao corpo, mas nenhuma das duas partes enterrada. Ele ainda contou que há outras duas pessoas envolvidas no homicídio.

-Publicidade-