Menina que foi estuprada pelo padrasto e teve bebê não sabia o que é estar grávida, diz delegada

O principal suspeito de ter cometido o crime é o padrasto da garota e após a internação, os investigadores querem interrogar a menina para entender melhor o caso

Resumo da Notícia

  • Uma garota de 11 anos foi mantida por pelo menos 2 anos em cárcere privado
  • A delegada do caso acredita que o principal suspeito é o padrasto dela
  • A garota ainda segue internada no hospital

Uma garota de 11 anos que foi vítima de estupro e, teve o bebê depois de passar os dois últimos anos em cárcere privado, não entendeu o que tinha acontecido com ela, ou seja, a gravidez. Segundo a delegada Fernanda Fernandes, titular da Delegacia de Atendimento à Mulher de Duque de Caxias, o padrasto da criança foi preso por ser o suspeito do crime.

-Publicidade-

Conforme o G1, as informações dadas pelo Hospital Adão Pereira Nunes, são que a garota está internada é que ela está com medo. Por esses motivos, a delegacia da mulher entrou com uma protetiva contra a mãe e o padrasto da garota.

Assim que a menina for liberada do hospital, os investigadores querem entrar em contato com a garota. Segundo mais informações, a menina não sabe ler e nem escrever. A delegada acredita que a menina foi abusada durante o período de cárcere privado.

Entenda o caso

Nesse domingo do dia 17 de julho, um homem foi preso suspeito de estuprar e manter em cárcere privado, por pelo menos dois anos, a enteada de 11 anos. A criança engravidou devido ao abuso cometido pelo padrasto, e teve complicações de saúde após o parto, o que fez com fosse levada às pressas para o Hospital Municipal Adão Pereira Nunes, localizado em Duque de Caxias, cidade onde morava com o padrasto e a mãe.

Os vizinhos estranharam o aparecimento da menina, que foi vista com um bebê recém-nascido no colo, entrando em uma ambulância do Samu. Segundo a delegada que está cuidando do caso, Fernanda Fernandes, a criança não era vista circulando pela rua desde os 9 anos, e não frequentava a escola. Por isso, apesar da idade, a menina ainda não sabe ler, nem escrever.

O caso chegou à polícia apenas na manhã de sexta-feira, dia 15 de julho, no momento em que a vítima deu entrada no Hospital Municipal, devido às complicações pós-parto. Os responsáveis pela criança, mãe e padrasto, alegaram que a menina foi estuprada, há 9 meses, por um homem desconhecido, que andava armado pelo bairro no qual a menina morava.