Menina que teve resultado negativo em teste rápido de COVID-19 pode ter contaminado 11 parentes

A garota já estava infectada quando viajou com a família, mas não sabia. Depois do passeio, vários familiares contraíram a doença, inclusive os pais, irmãos e avós dela

Resumo da Notícia

  • Ela fez uma viagem com a família
  • Pouco tempo antes ela havia feito um teste para o coronavírus, que veio negativo
  • A garota, no entanto, estava infectada e recebeu um falso negativo
  • 11 parentes foram infectados após a viagem, incluindo os pais, irmãos e avós da menina

As crianças e adolescentes que contraem a covid-19 geralmente não apresentam sintomas tão graves quanto os adultos e, muitas vezes, nem sequer têm sintomas. Apesar disso, eles podem sim transmitir o novo coronavírus para outras pessoas. Foi o que aconteceu com essa garota de 13 anos dos Estados Unidos. De acordo com o que foi descrito pelos cientistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças e dos departamentos de saúde de quatro estados – Geórgia, Illinois, Massachusetts e Rhode Island, a menina foi infectada com a doença pouco antes de uma reunião familiar. Depois da reunião, onze outros parentes, incluindo a mãe, o pai, os dois irmãos e dois avós da garota, foram infectados.

-Publicidade-
Menina que teve resultado negativo em teste rápido de COVID-19 pode ter contaminado 11 parentes (Getty Images)

O caso se transformou em um artigo que, assim como descrito pelos autores, “destaca várias questões importantes”. “Primeiramente, crianças e adolescentes podem servir como fonte de surtos de Covid-19 dentro das famílias, mesmo quando seus sintomas são leves”, começam explicando, como destacado pelo New York Times. Além disso, os pesquisadores pontuaram que a descoberta também se encaixa nas alegações de que os adolescentes são mais propensos a se infectar e espalhar o vírus do que as crianças mais novas.

“Isso não significa necessariamente que todas as crianças de 13 anos podem causar surtos como este”, alertou William Hanage, professor de epidemiologia do Harvard T.H. Escola Chan de Saúde Pública, que não participou da pesquisa. “Mas significa que algumas crianças de 13 anos podem”.

-Publicidade-

De acordo com o que foi relatado no artigo, a garota foi exposta ao coronavírus fora de casa, em junho. Quatro dias após a exposição, porém, um teste rápido de antígeno teve um resultado negativo. Esse teste, entretanto, frequentemente produz resultados errados. Dois dias depois, ela apresentou congestão nasal, o único sintoma que teve.

O teste dela foi um falso negativo (Foto: Getty Images)

No mesmo dia, ela, os pais e dois irmãos viajaram para uma reunião com mais 20 parentes, onde ficaram por três semanas e meia. Dos 20, quatorze ficaram em uma casa de cinco quartos e dois banheiros, permanecendo no local por períodos variados de 8 a 25 dias. Eles não usavam máscaras ou respeitavam o distanciamento. Outros 6 parentes passaram dois dias junto com a família, mas mantiveram a distância física e permaneceram ao ar livre, embora também não usassem a máscara.

Dos 14 que ficaram na casa, 12 deles, incluindo a menina, adoeceram com Covid-19, com o aparecimento dos sintomas até 18 dias após o início do encontro. As idades variavam de 9 a 72. Provavelmente nem todos foram diretamente infectados pela menina, uma vez que o vírus pode ter se espalhado por várias pessoas – e até mesmo móveis – pela casa.

Dos infectados, um precisou ser hospitalizado e outro foi para um pronto-socorro por causa de dificuldade para respirar. Ambos se recuperaram. Nenhum caso adicional foi vinculado à reunião de família. Duas primas da menina, de 14 e 16 anos, não contraíram o coronavírus. Nenhum dos visitantes diurnos que ficavam fora da casa adoeceu.

“Isso enfatiza mais uma vez a importância das precauções básicas de saúde pública, mesmo com pessoas que conhecemos e amamos”, disse a Dra. Megan L. Ranney, professora de medicina de emergência em Brown que não esteve envolvida no estudo, ao jornal NY Times.

Isso inclui evitar espaços internos onde as pessoas estejam próximas. “Ficar do lado de fora é sempre mais seguro, conforme demonstrado pelas taxas de transmissão neste estudo”, disse o Dr. Ranney. O caso também comprovou que outras recomendações de profissionais da saúde têm mérito: que o  distanciamento físico ajuda a prevenir a disseminação do coronavírus, que testes rápidos de antígeno devem ser confirmados por testes  mais confiáveis ​​e que alguém exposto ao coronavírus deve permanecer isolado de outras pessoas por 14 dias.

“Distanciamento físico, uso de máscara facial e higiene das mãos reduzem a transmissão; encontros devem ser evitados quando o distanciamento físico e o uso de máscara facial não são possíveis ”, escreveram os autores.

-Publicidade-