Menina se fantasia de cientista para ir à escola e viraliza: “Queria ficar sem o coronavírus”

Maria Luísa Righetto Silva, de 5 anos, viralizou na última semana ao aparecer em uma foto vestida de cientista com avental e um tubo de CoronaVac na mão. Em entrevista exclusiva à Pais&Filhos, a mãe da menina deu mais detalhes da história

Resumo da Notícia

  • A foto de Maria Luísa Righetto Silva vestida de cientista viralizou na internet na última semana
  • A menina tem 5 anos e vive em Monte Sião, Minas Gerais
  • A publicação de Malu teve mais de 60 mil curtidas e 300 comentários no Instagram
 

“Filha, com qual fantasia você quer ir amanhã na escola: Cinderela, bailarina ou ursinha?”, perguntou a mãe. “Não, mãe, eu quero ir de cientista!”. O pedido da pequena Maria Luísa Righetto Silva, mais conhecida como Malu, de apenas 5 anos, foi uma surpresa para os pais, Marília e Rafael Righetto. “Eu tinha certeza que ela iria escolher a da princesa”, conta a mãe em entrevista exclusiva à Pais & Filhos. A ideia inesperada acabou rendendo uma repercussão gigante na internet: foram mais de 60 mil curtidas e 300 comentários só em uma página no Instagram.

-Publicidade-

De avental e segurando um tubo de CoronaVac: a história da foto

No segundo ano da pré-escola de uma instituição particular em Monte Sião, Minas Gerais, Malu tinha que escolher uma fantasia para ir à sala de aula na última quinta-feira, 18 de fevereiro. “A gente estava almoçando e eu sugeri para ela as roupas que ela tem em casa, uma de Cinderela, outra de ursinha e uma de bailarina. E para a minha surpresa, ela disse que queria ir de cientista, assim, na lata. Foi aquele segundo de silêncio, eu olhei para o pai dela, ele olhou de volta, e pensamos  “tá bom”. Como sou dentista, eu tinha um jaleco da faculdade que ela costumava brincar e foi com ele que ela foi. Depois o resto dos itens ela foi pedindo, como os óculos, e a vacina foi uma ideia instantânea minha”, descreve a mãe.

Pais de Malu contam sobre a escolha da filha pela fantasia de cientista (Foto: Arquivo Pessoal)

A admiração de Malu pelos cientistas veio durante a pandemia, com toda a movimentação em torno da chegada das vacinas. Além de ver as notícias pela televisão, a menina costuma rezar ao lado dos pais todos os dias à noite pedindo para que a cura do vírus chegasse logo. “Ela sempre ouve a gente falar disso, tanto que quando a vacina chegou no Brasil e ela ficou sabendo que as crianças não seriam vacinadas ela ficou muito frustrada. ‘Eu queria ficar sem o coronavírus’, ela disse na época”.

Como não podia ser diferente, a fantasia da Maria Luísa virou sensação na escola entre os professores e funcionários. “Me falaram que todas as pessoas que trabalham lá iam na sala ver a Malu”, diz Marília. Mas a fama da criança estava apenas começando: foi de noite que os pais perceberam que a foto tinha viralizado pelas redes sociais. “Meu celular ficou cheio de notificações, eu fui olhar e uma página grande tinha republicado”, conta a dentista. “Eu tinha consciência que tinha sido muito criativo, mas a repercussão da foto foi uma surpresa totalmente inesperada. Acho que foi uma união de fatores: a foto, a legenda, o tema atual e a postura dela”, completa.

Malu já pensa em ser cientista quando crescer; mas se não for, tudo bem também

Mas, afinal, a Malu vai ser cientista quando crescer? A mãe diz que a pequena já começou a pensar no assunto, mas que ainda tem muitas opções em mente, como “cabeleireira e médica”. Mesmo que escolha seguir outro caminho, Marília conta que se sentiu representada pela filha como profissional da saúde e que quer incentivar outras crianças a serem o que elas quiserem.

“Eu acho muito importante mostrar algo fora da caixinha para as crianças. É importante que a criança saiba que ela pode ser o que ela quiser, ainda mais no mundo da imaginação que eles têm. E porque não sonhar com isso lá no futuro também? Nós temos que criar nossos filhos para eles serem o que eles querem ser. Nossa função é essa, acolher, ajudar, aplaudir – então eu babei e morri de orgulho”, afirma.

Além disso, Marília e Rafael acreditam que conseguiram estimular a autenticidade da filha através do respeito e do amor. “A gente tem que ouvir as crianças; nós podemos orientar, mas quem tem que percorrer o próprio caminho são eles”, afirmam. Os pais descrevem Malu como uma menina cheia de luz, que ama se comunicar e chama atenção pela esperteza. “Eu sinto que ela se desenvolveu assim porque foi muito respeitada e amada. Ela fala, a gente escuta, a gente conversa e ela emite opiniões”, diz.

Maria Luísa nasceu depois da mãe ter sofrido um aborto

Malu é um bebê arco-iris, chegou na vida dos pais depois de uma perda – um aborto espontâneo. Como uma criança muito esperada e amada, os pais encararam o desafio de criá-la para ser ela mesma. “A gente cria o filho para o mundo, e esse mundo está cada vez mais complicado”, começa Marília. “Ser mulher nos dias de hoje não é fácil, nós somos sobreviventes. Uma mulher nunca se sente 100% segura em lugar nenhum e quando eu olho para Malu eu tento protegê-la. Transmito valores, coisas que ela vai levar não importa para onde”, afirma.

“A minha família é tudo para mim, sem clichê. Quando lembro dos olhinhos e do sorrisinho da Manu, é isso o que me motiva. Depois de 2020 a gente aprendeu muitas coisas, o ano trouxe essa ressignificação. Independente de tudo que aconteceu em um dia, quando chego em casa e  vejo nós três bem, meu coração acalma”, finaliza a mãe de Malu.