Merendeira que salvou alunos em tragédia de Suzano é 1ª profissional de educação vacinada no Brasil

Silmara Cristina Silva de Moraes, 51 anos, trabalha há 11 anos na Escola Raul Brasil, que foi alvo do massacre que deixou dez mortos em 2019

Resumo da Notícia

  • A merendeira Silmara Cristina Silva de Moraes, 51 anos, foi a primeira a receber a vacina da covid-19 no início da imunização de profissionais da educação em São Paulo
  • Ela trabalha há 11 anos na Escola Raul Brasil, que foi alvo de uma massacre que deixou dez mortos em 2019
  • Silmara foi uma das pessoas que ajudaram os estudantes a se esconder na cozinha durante o ataque

A merendeira Silmara Cristina Silva de Moraes, 51 anos, foi a primeira a receber a vacina da covid-19 no início da imunização de profissionais da educação na manhã deste sábado (10), em Suzano.

-Publicidade-

Ela trabalha há 11 anos na Escola Raul Brasil, que foi alvo do massacre que deixou dez mortos em 2019. A escolha da escola estadual em Suzano como sede para a primeira vacinação é um ato simbólico. Silmara foi uma das pessoas que ajudaram os estudantes a se esconder na cozinha durante o ataque –foram cerca de 50 alunos que permaneceram na área da cozinha até que chegasse a polícia.

(Foto: Reprodução/Twitter)

“Não esperava que ia ser tão rápido. É muita emoção”, disse a merendeira, que recebeu a primeira dose da enfermeira Jéssica Pires com lágrimas nos olhos de felicidade. A vacinação dos profissionais de educação estava prevista para a próxima segunda-feira (12), mas foi antecipada para este sábado.

O evento que marcou início da vacinação nos profissionais de educação teve a presença do governador João Doria e dos secretários de Educação, Rossieli Soares, e da Saúde, Jean Gorinchteyn. “É a primeira escola do Brasil, não só do estado de São Paulo, a iniciar a vacinação dos profissionais de educação na sua cidade”, disse Doria. “A merendeira Silmara Moraes foi a primeira servidora da Educação a ser vacinada. No fatídico episódio em 2019 aqui na Raul Brasil, Silmara acolheu vários alunos na cozinha no momento do tiroteio, salvando a vida deles. Não posso conter minha felicidade e emoção por este início da imunização dos profissionais da educação”, afirmou Rossieli.

(Foto: Freepik)

Reforma na escola

O ato também marcou a reabertura da unidade, que passou por uma grande reforma em 2020. A Escola Raul Brasil ganhou espaços artísticos em homenagem à memória aos cinco alunos e dois funcionários mortos durante um ataque a tiros no local, em 13 de março de 2019. O artista brasileiro Eduardo Kobra e sua equipe pintaram painéis internos e os muros externos da escola para reverenciar as vítimas e promover a cultura da paz.  A unidade de ensino também ganhou uma quadra poliesportiva e uma área de 1,5 mil metros quadrados com paisagismo, além de um espaço destinado à prática de esportes, aulas ao ar livre e bicicletário.

Vacinação dos profissionais da educação

Poderão ser vacinados os profissionais que atuam nas escolas das redes públicas (municipal, estadual e federal) e privada com idade a partir de 47 anos. Os funcionários que atuam em diversas funções, como secretários, auxiliares de serviços gerais, faxineiras, mediadores, merendeiras, monitores, cuidadores, diretores, vice-diretores, professores de todos os ciclos da educação básica, professores coordenadores pedagógicos, além de professores temporários, serão imunizados.

Poderão ser vacinados os profissionais que atuam nas escolas das redes públicas (municipal, estadual e federal) e privada com idade a partir de 47 anos (Foto: iStock)

Como deve ser feito o cadastro para a vacinação?

Para receber a vacina, os profissionais devem fazer o cadastro na plataforma VacinaJá Educação. Até esta sexta-feira já foram cadastrados mais de 465 mil profissionais, sendo que 163 mil cadastros já estão validados e aptos a receber a primeira dose. Lucila foi uma dessas pessoas: “Fiz o cadastro nesta quinta-feira, pela noite, e hoje na parte da tarde, recebi a confirmação e o comprovante que devo apresentar na unidade de saúde para receber a primeira dose da vacina”, conta.

No momento do preenchimento do cadastro na plataforma VacinaJá Educação, os profissionais devem informar número do CPF, nome completo e e-mail. Em seguida, eles receberão um link no e-mail indicado para validação e continuidade do cadastro. Segundo o governo, é importante verificar se o e-mail não foi deslocado para a caixa de spam. No passo seguinte, o profissional deve confirmar dados pessoais completos e apontar nome da escola, rede de ensino, município e cargo ocupado. Para as redes municipais, particulares e federal também é necessário anexar os holerites dos meses de fevereiro e março.

Para receber a vacina, os profissionais devem fazer o cadastro na plataforma VacinaJá Educação (Foto: Reprodução)

Depois, o cadastro passará por um processo de análise e, se validado, o profissional receberá, por e-mail, o comprovante VacinaJá Educação. O documento contém um QRCode para verificação de autenticidade.  No momento da vacinação, o profissional da educação deverá apresentar o comprovante, junto com RG e CPF para conferência dos dados pelo profissional de saúde. Caso o usuário não apresente o comprovante, ele não poderá ser imunizado.

Vale lembrar que o cadastro é o primeiro passo para imunização, mas não significa o agendamento, segundo o governo. A aplicação das doses acontece em parceria com as prefeituras, por meios das Secretarias de Saúde. Depois da confirmação do cadastro, o profissional deve ficar atento às regras do município em que atua para se informar sobre datas e postos de vacinação.