“Meu filho não sabe ler e nem escrever e não consigo encontrar diagnóstico para a situação”

Michelle Cassemis comentou como o filho não consegue se acostumar com o ensino escolar, não sabendo ler e nem escrever. Ela ainda reclamou da dificuldade em encontrar um diagnóstico para a situação do garoto

Resumo da Notícia

  • Uma mulher comentou como está desesperada para encontrar um diagnóstico para o filho
  • Segundo ela, o menino tem 7 anos e não sabe ler e nem escrever, além de não conseguir ficar muito tempo na escola
  • A mãe ainda disse que já foi em muitos médicos, mas até hoje não conseguiu encontrar um diagnóstico para a situação do filho

Louie Lee, é um garoto de 7 anos que não consegue ler e nem escrever. Ele e a mãe estão esperando o diagnóstico sobre a condição educacional e comportamental do menino, mas, de acordo com a mãe, eles foram “decepcionados pelo sistema”.

-Publicidade-

A mãe do menino, Michelle Cassemis, de Cardiff, no País dos Gales, disse que está procurando ajuda desde que o filho começou a creche, mas foi apenas durante o ano passado que o Louie conseguiu uma declaração de necessidades educacionais.

Mãe se desespera tentando encontrar diagnóstico para o filho de 7 anos que não consegue ler e escrever
Mãe se desespera tentando encontrar diagnóstico para o filho de 7 anos que não consegue ler e escrever (Foto: Getty Images)

Michelle comentou para Wales Online que embora não tenha nada para reclamar sobre a última escola de Louie, A St John Lloyd Primary, a mulher teve que desmatricular o menino em julho de 2021, pois ele não conseguia acompanhar.

Depois de mudar o ensino do garoto para estudar em casa, a mãe teve que ficar junto ao filho e sair do emprego de cabeleireira. Mas Michelle diz que está “de coração partido”, pois não aguenta ver o menino não conseguir fazer amigos e não ter um diagnóstico para ajudá-lo.

A mulher ainda tem outros dois filhos mais velhos, Michael, de 19 anos e Hollie, de 17. Ela disse que os dois seguiram os mesmos estudos que o irmão mais novo sem nenhum problema. Michelle criticou os atrasos do sistema de saúde em ajudar crianças iguais ao seu filho, que não conseguem ficar na escola durante um dia inteiro sem ter problemas de ansiedade.

Mãe se desespera tentando encontrar diagnóstico para o filho de 7 anos que não consegue ler e escrever
Mãe se desespera tentando encontrar diagnóstico para o filho de 7 anos que não consegue ler e escrever (Foto: Getty Images)

“Ele ficava na escola 90 minutos por dia, depois descia para 60 minutos e depois 30 minutos. Ele estava reduzindo o tempo cada vez mais ao longo dos anos”, reclamou a mulher. “Ele já teve um professor particular em casa, mas isso também não funcionou. Já me disseram muitas coisas que ele pode ter, mas ele não teve nenhum diagnóstico. Me disseram que ele poderia ter autismo ou TDAH“.

A mãe ainda comentou que levava o filho constantemente para médicos por três anos, mas não obteve nehuma resposta. Ela ainda disse que entendeu o motivo da diretora da antiga escola do filho ter pedido para a mãe desmatricular Louie, já que o garoto não queria ficar em sala de aula: “Eu estava lutando para colocá-lo na escola. Depois de tudo isso, ele ficou apenas meia hora. Não valeu a pena o caos e a batalha.”

Mesmo estudando em casa, a mulher disse que o filho não conseguiu acompanhar o ritmo: “Me disseram tantas coisas, mas Louie perdeu muito. Não sabe ler nem escrever e nunca teve vida escolar”, disse Michelle. “Ele não brincou no pátio da escola ou se juntou à educação física.”

Mãe se desespera tentando encontrar diagnóstico para o filho de 7 anos que não consegue ler e escrever
Mãe se desespera tentando encontrar diagnóstico para o filho de 7 anos que não consegue ler e escrever (Foto: Getty Images)

A cidade de Cardiff e o Conselho de Saúde da Vale University pediram desculpas pelo atraso em encontrar um diagnóstico: “Pedimos desculpas a Louie e sua família pelos atrasos no diagnóstico. O processo de diagnóstico do neurodesenvolvimento é complexo e o tempo de espera para acesso aos serviços não é o que gostaríamos.”

Eles ainda confessaram que precisam melhorar e fazer mudanças na forma como os serviços são organizados: “Nossas equipes também estão trabalhando em colaboração com pais e colegas do setor educacional para apoiar o processo de encaminhamento e a coleta das informações necessárias aos profissionais para apoiar o diagnóstico.”

O Conselho de Cardiff concluiu dizendo que as necessidades de uma criança não dependem do diagnóstico: “Os serviços de educação do Cardiff Council sempre vão se esforçar para responder às necessidades de uma criança e isso não depende de um processo de diagnóstico.”