Ministério Público faz cartilha sobre relacionamento abusivo e precisamos falar sobre o assunto dentro de casa

A campanha “Namoro Legal” dá várias dicas de como identificar se você está dentro de um namoro desse tipo

A cartilha feita pelo Ministério Público viralizou nos últimos dias (foto: reprodução)

Na última quarta-feira, dia 12 de maio, o Ministério Público junto com a Microsoft Brasil lançou uma campanha com o objetivo de conscientizar todo mundo sobre relacionamentos abusivos através de uma cartilha chamada “Namoro Legal” que contém várias dicas de como identificar que o seu namoro está indo para um caminho que não deveria seguir.

-Publicidade-

A promotora Valéria Scarance, criadora da campanha, começa a cartilha relembrando a importância de conversar sobre o assunto e levantar esse tema. Já que muitas mulheres passam por isso e nem imaginam. “Difícil mesmo é saber como e quando agir em relação ao namorado controlador. Mesmo mulheres adultas, muitas vezes, só percebem que estão em uma relação abusiva quando já estão sofrendo muito, isoladas da família e amigos, afastadas do estudo, do trabalho e sem amor próprio. Para as garotas, pode ser ainda mais difícil identificar quando estão sofrendo abuso“, explica.

Por isso, nós da Pais&Filhos, fazemos questão de levantar essa bandeira e lembrar que você tem papel importante nessa hora para a vida da sua filha. Para que ela entenda como deve ser tratada fora de casa, precisa entender seu valor dentro do próprio lar. Se mostre interessada sobre a vida dela, mantenha uma relação aberta e segura. Assim, se ela tiver algum problema vai confiar e recorrer a você quando precisar conversar.

-Publicidade-

Vale lembrar que uma das caracteristicas do relacionamento abusivo é acabar com a autoestima da mulher para que o abusador tenha cada vez mais poder sobre a vítima. Por isso, relembre sempre o quanto ela é linda, inteligente, importante e necessária, além disso faça ela entender a importância de fazer aquilo que a gente quer e não o que o outro espera que façamos é essencial para conseguir manter o controle da situação. “Valorize o seu espaço, o seu território físico e mental, o lugar onde você se sente segura e conectada com sua essência. Esse espaço compreende sua família, amigos, estudo, trabalho e lazer, seu modo de ser. E você não deve abrir mão desse espaço por ninguém”.

Criança não namora! 

“Sou a mais velha de 8 irmãos” (Foto: iStock)

Falar sobre relacionamento é importante, mas nunca esqueça que quem namora não são as crianças. Tudo tem seu tempo, assim como os namoros e as conversas sobre o assunto. Tenha sempre em mente que seu filho, até os 12 anos, tem amigos. Não dá para comparar o que eles chamam de namoro com o relacionamento dos adulto!

“Dos 3 aos 6 anos, as crianças estão imersas em experiências de paixões, além de perceber as diferenças corporais entre homem e mulher”, explica a psicanalista Soraia Bento Gorgatti, mãe de Gabriel e membro do Instituto da Família. Ela conta que toda essa tensão relacionada à idade está ligada à fase do Complexo de Édipo. Com o tempo, eles percebem que os pais já têm companhia e procuram outro “namoradinho”, na verdade um amigo mais especial. Só isso!

“Na era da sexualização, isso tem atingido cada vez mais as crianças, que não estão preparadas para receberem esses estímulos, tanto neurologicamente, quanto fisiologicamente. Precisamos lembrar e relembrar que criança tem que ser criança”, explica Camila Cury, psicóloga e presidente da Escola da Inteligência, filha de Augusto Cury e mãe de Alice e Augusto.

Leia também:

Millie Bobby Brown e a “adultização” das meninas

Você sabe como falar sobre sexualidade com seus filhos?

7 pecados capitais que cometemos contra a infância

    -Publicidade-