Ministro da Saúde anuncia fim do estado de emergência sanitária da covid-19

Durante este domingo, 18 de abril, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou em transmissão nacional, o fim da situação de emergência sanitária nacional devido à pandemia da covid-19

Resumo da Notícia

  • O pronunciamento, que foi realizado em 17 de abril, promoveu o discurso de encerramento da situação de emergência sanitária nacional
  • O ministro da Saúdo, Marcelo Queiroga, ainda acrescentou que pretende encerrar a Espin (Emergência em  Saúde Pública de Importância Nacional)
  • No momento, é a Espin (Emergência em  Saúde Pública de Importância Nacional) que aprova a aplicação emergencial de vacinas. No caso, a CoronaVac

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou durante um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão, transmitido ontem, 17 de abril – o fim da situação de emergência sanitária nacional devido à pandemia da Covid-19. Além disso, para os próximos dias, ele afirmou que irá editar um ato normativo para encerrar a Espin (Emergência em  Saúde Pública de Importância Nacional). Porém, reforçou que a medida não significa o fim da doença.

-Publicidade-

“Graças a melhora do cenário epidemiológico, à ampla cobertura vacinal da população e a capacidade de assistência do SUS [Sistema Único de Saúde], temos hoje condições de anunciar o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, a Espin. Nos próximos dias será editado um ato normativo disciplinando a decisão”, afirmou o ministro.

Em complementou, falou: “Essa medida, no entanto, não significa o fim da covid-19. Continuaremos a conviver com o vírus”.

Terceira dose da vacina Pfizer para crianças entre 5 e 11 anos apresentou resultado positivo (Foto: Getty Images)

De acordo com o UOL, a Espin (Emergência em  Saúde Pública de Importância Nacional) foi decretada pelo governo em 2020, quando deu início à pandemia. Ela possibilita a compra de materiais hospitalares por bens públicos com mais celeridade, além da aplicação emergencial de vacinas aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Esse é o caso da CoronaVac, vacina que ainda depende do aval de emergência para ser aplicada em território nacional.

Além disso, de acordo com dados dos cartórios de registro civil, a covid-19 segue sendo a doença que mais mata no Brasil. Neste domingo, 17 de abril, o país registrou 18 novas mortas pela doença e a média móvel de 100 mortes pela covid-19 na última semana. Os dados referidos são do consócio de veículos de imprensa.