Mulher afirma ter sido impedida de voluntariar na escola dos filhos por causa de conteúdo publicado na Internet

Victoria Triece alegou que foi exposta por um pai da escola dos filhos e afirmou que aquele era o trabalho e a fonte de renda que sustentava a família dela

Resumo da Notícia

  • Uma mãe na Flórida disse que foi proibida de ser voluntária na escola dos dois filhos
  • Victoria Triece alegou que outro pai enviou anonimamente a página da mulher no OnlyFans para os responsáveis da escola
  • Ela anunciou que irá processar o distrito escolar de Orange County em US $ 1 milhão

Victoria Triece, de 30 anos de idade, afirmou que foi proibida de ser voluntária na escola primária dos filhos de 5 e 10 anos por causa da página no OnlyFans que administra e compartilha para os usuários conteúdos explícitos de si mesma para os assinantes pagantes.

-Publicidade-

Mãe de duas crianças que frequentam a Sand Lake Elementary School, uma escola localizada em Orange County, um condado da Flórida, Victoria alegou ao canal WESH-TV, uma afiliada da NBC, que há cerca de duas semanas atrás foi informada que não poderia mais ser voluntária no colégio que prestava serviços a anos.

O logotipo do site que Victoria Triece compartilhava o conteúdo para os usuários (Fonte:  ilustração tirada em Cracóvia, Polônia, NurPhoto)

A notícia chocante foi dada através de uma carta anônima enviada à instituição por outro pai que descobriu a página da mulher no OnlyFans, um serviço de conteúdo por assinatura no qual os criadores de entretenimento adulto podem ganhar dinheiro dos outros usuários do site que assinam pelo conteúdo publicado.

“Ninguém tem o direito de julgar o que outras pessoas fazem para viver. Eu me sinto julgada e tão isolada”, desabafou ela ao canal durante entrevista. “Foi um pai que foi e pagou para ver meu conteúdo, mas depois eles tiveram que ir mandar essas fotos minhas para a escola e me impedir de ficar perto de crianças do trabalho voluntário que fiz e dediquei minha vida por quase cinco anos “, concluiu Triece na coletiva de imprensa.

Triece e seus advogados anunciaram a intenção de processar o distrito escolar de Orange County em US $ 1 milhão. “Que mentalidade autoritária permite que alguém aponte um dedo discriminador para alguém e diga que não aprovamos você e que você não pode ficar perto de crianças. Isso se torna assustador”, disse Mark NeJame, advogado da mãe de duas crianças. Até o momento, o distrito escolar de Orange County não se pronunciou claramente sobre o ocorrido.