‘Mulher da casa abandonada’: polícia entra em mansão e Margarida aparece sem o creme branco no rosto

A operação investiga um possível abandono de incapaz tendo como vítima Margarida Bonetti, moradora do local e protagonista da série

Um mandado de busca e apreensão está sendo cumprido hoje à tarde em São Paulo por investigadores no imóvel onde morava Margarida Bonetti, conhecida como “a mulher da casa abandonada”, tema de podcast da Folha de S. Paulo produzido por Chico Felitti. ,

-Publicidade-

A mulher voltou ao Brasil para morar na mansão de Higienópolis, após ser acusada de ter mantido uma empregada em condições análogas à escravidão entre o fim da década de 1970 e o começo dos anos 2000 nos EUA.

(Foto: Reprodução/Instagram)

A ação faz parte de inquérito aberto pela Polícia Civil para investigar se ela sofre de distúrbio psiquiátrico e se foi vítima de abandono de incapaz. A investigação teve início depois que vizinhos do imóvel em Higienópolis (no centro de São Paulo), ligaram para diversas delegacias afirmando que uma pessoa que apresentava problemas de saúde mental estava no local e precisava de ajuda.

Entenda o caso

Margarida é suspeita de ter mantido por quase 20 anos nos Estados Unidos uma empregada doméstica em condição análoga à escravidão. Quando o caso ainda estava sendo investigado por autoridades americanas, no final dos anos 1990, ela deixou o país, e voltou ao Brasil.

O imóvel está em condições de deterioração, com telhas quebradas, rachaduras e pintura corroída pelo tempo. Na frente da casa, o jardim também se encontra em condições de abandono, e há casas de cachorro vazias na varanda. Margarida ficou conhecida na região por usar um creme branco no rosto sempre que deixa a casa.

No último episódio do podcast, publicado nesta quarta, ela se defende da acusação de ter mantido a empregada em condições análogas a escravidão: diz que elas dividiam a casa na condição de amigas e também afirma que passava a maior parte do ano no Brasil.

Veja as fotos de Margarida Bonetti:

(Foto: Reprodução/YouTube/Twitter)
(Foto: Reprodução/YouTube/Twitter)
(Foto: Reprodução/YouTube/Twitter)