Mulher de 51 anos realiza o sonho de ser mãe após uma fertilização in vitro

Kelly Clarke sabia que já estava tarde para ter filhos mas tomou a decisão de voar para Atenas, Grécia, em março de 2020 para uma consulta de fertilização in vitro por recomendação de um amigo

Resumo da Notícia

  • Kelly Clarke tem 51 anos e sabia que estava tarde para tentar uma gestação
  • Porém após uma recomendação de uma amigo a mãe resolveu ir em uma clínica de fertilização in vitro
  • Após um longo processo Kelly deu à luz a Lyla em março deste ano

Uma mulher solteira de 51 anos realizou os sonhos depois de receber uma menina por meio de fertilização in vitro. Kelly Clarke teve a filha Lyla Rae Clarke, agora com sete meses, por cesariana em 31 de março pesando 3,4 kg, no Hospital Princess Royal, em West Sussex, no Reino Unido.

-Publicidade-

Com a ajuda nas duas primeiras semanas da mãe, Barbara, 74, e da irmã Jenny, 48, Kelly e Lyla agora estão assumindo a vida apenas as duas. Apesar dos desafios de ser mãe solteira, ela diz que está “constantemente maravilhada com a alegria de finalmente ser mãe”. Kelly era conhecida entre os amigos por ser ótima com crianças e sempre quis ser mãe, mas não teve sorte no amor.

Ao se aproximar do 50º aniversário, Kelly sabia que ‘o tempo não estava a seu favor’ e tomou a decisão de voar para Atenas, Grécia, em março de 2020 para uma consulta de fertilização in vitro por recomendação de um amigo. Ela afirma que encontrou uma ‘enorme resistência’ da família ao pensar em ser uma mãe mais velha e usar um doador de esperma para receber um filho – mas sabia que ser mãe era o que ela queria.

Em julho de 2020, Kelly voou de volta para Atenas para que o embrião fertilizado fosse implantado, antes de fazer um teste de gravidez 12 dias depois para descobrir que a fertilização in vitro teve sucesso – e ela estava grávida. Tendo acabado de comemorar o 51º aniversário – e o primeiro como mãe – Kelly disse que foi o ‘melhor aniversário de todos’ com a adição do orgulho e alegria, Lyla.

Kelly engravidou aos 50 anos de idade
Kelly engravidou aos 50 anos de idade (Foto: Reprodução/Mirror)

Kelly, ex-gerente do Terminal Norte do Aeroporto de Gatwick, de Crawley, West Sussex, disse: “Consegui me tornar mãe contra todas as probabilidades. Quem me conhece vai dizer o quanto eu sempre quis ser mãe. Ainda não consigo acreditar e estou constantemente maravilhada com a alegria de finalmente ser mãe aos 51 anos. Ela é o bebê perfeito – eu não poderia pedir mais nada.”

Depois de uma carreira agitada, como tripulante de cabine da Virgin Atlantic e da British Airways, seguida por cargos de destaque no Aeroporto de Gatwick, Kelly estava feliz com o trabalho, mas nunca teve muita sorte nos relacionamentos. Apesar de saber que ela sempre quis ter uma família, ela nunca conheceu a pessoa certa para ter um filho – então decidiu ir sozinha.

“Um amigo de um amigo tinha estado em Atenas para a fertilização in vitro e disse que foi a melhor experiência e que eu também deveria fazer”, disse Kelly. “Cheguei ao ponto em que pensei: ‘Se eu não fizer isso agora, vou perder minha chance.'” Kelly fez contato com a “IVF Serum”, uma clínica de fertilidade em Atenas, que providenciou uma videochamada inicial antes de convidá-la para a clínica em março de 2020.

“Fiz tudo sozinha, não contei a ninguém para onde ia”, disse Kelly. “A equipe cuidou de mim tão bem que senti que era a única pessoa com quem estavam lidando.” A equipe de fertilidade discutiu as necessidades e disse a Kelly que ela precisaria estar grávida de três meses quando fizesse 50 anos em 22 de outubro de 2020 e que precisaria usar um doador para se tornar mãe.

A mãe deu à luz em março deste ano
A mãe deu à luz em março deste ano (Foto: Reprodução/Mirror)

Kelly voltou ao Reino Unido com a medicação necessária para iniciar o processo de fertilização in vitro e, após um atraso no processo causado pela pandemia do covid-19, voou de volta para Atenas em julho de 2020. Durante uma viagem de três dias à Grécia, Kelly recebeu os embriões fertilizados antes de voar de volta para casa e voltar direto para o trabalho.

“Foi tão estranho pensar sobre o que eu tinha acabado de fazer”, disse Kelly. “Eu encaixei minhas viagens em meus dias de folga no trabalho, então ninguém sabia o que eu estava fazendo – mas eu fiquei pensando em como era loucura eu poder estar grávida. Minha irmã soube quando me deixou no aeroporto, e meus pais sabiam que eu estava pensando nisso, mas em grande parte fiz tudo sozinha.”

Apenas 12 dias após o procedimento, Kelly fez um teste de gravidez que revelou ter sido um sucesso e que ela estava grávida. “Eu encontrei uma grande resistência da família por decidir me tornar uma mãe solteira aos 50, porque eles estavam preocupados comigo e com as implicações de usar um doador – mas naquele momento eu sabia que tinha feito a coisa certa.”, disse Kelly.

“Eu adorava ser tia das minhas sobrinhas e dos filhos dos meus amigos, mas agora eu não seria apenas uma tia, eu seria uma mãe.” Os pais de Kelly – que agora estão curtindo o tempo com a neta – inicialmente estavam ‘desesperados para impedir’ que Kelly continuasse com a fertilização in vitro.

De acordo com Kelly, eles tinham certeza de que ela perderia o emprego, teria dificuldades financeiras e se preocuparia com a saúde e bem-estar. “Eles foram contra mim, o que foi muito difícil – eu senti que estava sendo rejeitada. Mas agora posso ver que é porque eles me amam muito”, disse Kelly.

“Eles se preocuparam em como eu lidaria se não fosse bem-sucedido, porque sabiam o quanto eu queria ser mãe – mas nunca me passou pela cabeça que não iria funcionar, eu apenas tive um pressentimento. Agora que Lyla está aqui, eles me apoiam incrivelmente e não poderiam ser melhores avós. Não sei o que faria sem eles.”

Kelly e Lyla agora estão morando sozinhas
Kelly e Lyla agora estão morando sozinhas (Foto: Reprodução/Mirror)

No total, ela gastou cerca de £ 4.000, que incluíam tratamento, medicamentos para fertilidade, voos e acomodação – consideravelmente mais baratos do que o tratamento no Reino Unido, que Kelly poderia gastar até £ 15.000. Apesar de algumas fortes enxaquecas no início da gravidez, o resto correu bem, e Kelly foi agendada para uma cesariana no Hospital Princess Royal, Haywards Heath, West Sussex, em 31 de março de 2021.

A filha Lyla Rae chegou às 17h26 pesando 3,4 kg, e depois de uma internação de dois dias no hospital para exames, Kelly conseguiu levar a filha para casa. “Minha mãe ficou comigo por uma semana, seguida por minha irmã, enquanto eu me recuperava da cesariana – mas éramos apenas nós duas”, disse Kelly.

“Não vou mentir e dizer que é fácil ser mãe solteira, eu sabia que não seria. Mas Lyla é um anjo absoluto e tem sido um sonho, tenho uma sorte incrível.” Kelly assinou um acordo com a clínica de fertilidade concordando que ela contaria à filha a verdade sobre sua concepção – algo que ela concorda que é importante que Lyla saiba.

“Serei completamente honesta com Lyla a partir do momento em que ela puder falar”, disse Kelly. “Eles sugerem explicar aos doadores como ‘doadores anjos’ ou ‘pai anjo’ – para dar algum tipo de presença a como ela veio ao mundo. “Uma coisa é certa, Lyla vai saber que é amada e o quanto eu a queria – ela vai saber até onde fui para trazê-la ao meu mundo.”