Mulher é fortemente criticada após utilizar esperma do marido falecido em fertilização in vitro

Algumas pessoas acreditam que a mulher deveria deixar o falecido marido descansar em paz

Resumo da Notícia

  • Uma mulher foi fortemente criticada online
  • Jade perdeu o marido em 2019
  • O casal já havia iniciado o processo de fertilização in vitro

Uma mulher lutando uma batalha legal para usar o esperma de seu falecido marido para fertilização in vitro deixou os espectadores divididos depois de compartilhar sua história. Jade Payne, 35, de Brackley, Northamptonshire, precisará de permissão do Supremo Tribunal da Inglaterra para usar o esperma congelado de seu marido morto para ter seu bebê por causa de um erro burocrático cometido há 11 anos.

-Publicidade-

Segundo o jornal Daily Mail, a disputa está centrada em torno de uma ‘tecnicidade’ porque o nome de Jade não está nos documentos originais de doação de esperma de Daniel – apesar dos mais recentes terem sua assinatura neles. Daniel estava vivendo com um tumor cerebral quando o casal decidiu iniciar a fertilização in vitro, mas sua condição piorou e ele morreu em dezembro de 2019.

Falando no programa ‘This Morning’ com Phillip Schofield e Rochelle Humes, Jade disse que só tem uma chance de usar o esperma congelado de Daniel e sabe que tem poucas chances de engravidar. Os espectadores ficaram divididos sobre o assunto e, enquanto alguns desejaram sorte a Jade, outros disseram que ela deveria deixar seu marido – com quem ela esteve por 10 anos – descansar em paz.

Jade disse que quer ir a diante com a fertilização in vitro
Jade disse que quer ir a diante com a fertilização in vitro (Foto: Reprodução/Daily Mail)

“Há uma coisa que precisamos destacar aqui com a fertilização in vitro“, disse Phil. ‘Porque, caramba, isso é algo sobre o qual falamos muito neste programa, neste sofá, é o fato de que não é garantido. E eles acham que talvez haja esperma suficiente para uma só vez”, disse ele.

“Então, mesmo assim não é garantido. Tenho 33% de chance de ser bem-sucedido”, admitiu Jade. “Mas eu aceitei que se for apenas uma chance, eu já aceitei que isso pode não acontecer comigo e que eu posso não ser capaz de ter um filho de Daniel. Mas eu quero minha chance”, acrescentou. Jade disse que está disposta a ir ao tribunal para garantir o direito de usar o esperma de Daniel, porque ela ‘não é a primeira pessoa com quem isso aconteceu e não será a última’.

No entanto, ela disse que ainda está esperando a pessoa certa para representá-la. Ela acrescentou que a clínica de fertilidade onde Daniel erroneamente preencheu a papelada em 2011 – quando ele foi diagnosticado com câncer de testículo – não tem nada além de apoiá-la, oferecendo seus conselhos.

Lembrando Daniel como ‘cheio de vida’, ela acrescentou que sua família, especialmente seu sogro, tem sido ‘nada além de apoio’ e que ela pediu permissão para divulgar sua história ao público. As opiniões dos espectadores estavam divididas sobre o que Jade estava tentando realizar.

“E se não funcionar? Apenas se preparando para mais desgosto…”, disse um. “Por favor, mulher, deixe esse homem descansar em paz… Ele está morto, você precisa seguir em frente”, disse outro. “O luto é horrível, mas temo que ela não esteja pensando no efeito sobre a criança em tudo isso”, disse um deles.

“É tão triste quando alguém morre, mas trazer intencionalmente uma vida ao mundo quando essa pessoa se foi, parece egoísta para mim“, escreveu um deles. Quando ela começou a contar a história, Jade, que é babá, disse ao MailOnline: “Eu tenho que provar que meu marido queria meu filho, e não há garantia de que eu vou ganhar depois de fazer tudo isso. Posso dizer que não posso usar o esperma dele porque não tenho provas suficientes de seus desejos, mas além disso posso ter que financiar minha própria fertilização in vitro também.”