Mulher prepara pães artesanais inspirados pela avó: “Cada pão tem sua história”

Luiza Braz Serra ajudava a avó desde pequena na produção de pães trançados.

Resumo da Notícia

  • Hoje, por conta da crise financeira do país, Luíza apostou as fichas na panificação artesanal
  • Ela contou que foi inspirada pela culinária da avó ainda quando criança
  • Luíza ganha uma renda extra com o trabalho que tanto ama

Ontem, dia 11 de novembro, foi o Dia do Trigo, data em que se comemora a matéria prima essencial para o trabalho de Luiza Braz Serra, moradora de Volta Redonda, município do Rio de Janeiro. A mulher contou com exclusividade ao G1 sobre a inspiração que recebeu da avó para produzir os pães que faz com tanto carinho.

-Publicidade-

Foi na panificação artesanal que a educadora carioca encontrou uma alternativa para se sustentar financeiramente durante a crise causada pela Covid-19. “Foi por conta da pandemia que eu dei o pontapé para comercializar os pães. Meu marido ficou desempregado e precisamos pensar em maneiras de ganhar dinheiro. Então, muita gente falou dos pães e decidi me arriscar”, afirmou a mulher.

Pães de Luiza inspirados pela culinária da avó
Pães de Luiza inspirados pela culinária da avó (Foto: Reprodução Arquivo Pessoal)

Ela contou ainda que antes da pandemia fazia pães apenas para familiares e amigos, como uma espécie de hobby. Porém, com o agravamento da doença e das complicações financeiras do país, ela viu na panificação uma oportunidade de conseguir uma renda extra.

Entretanto, a atividade para a mulher vai além da renda extra. Desde quando era criança, Luiza desenvolveu uma paixão pelo trabalho culinário e artesanal. Segundo ela, quando ainda era menina adorava ajudar a avó materna na produção dos pães trançados todas as vezes que a visitava.

“A panificação artesanal é cuidado e atenção. Cada fornada é única, cada pão tem sua história. É preciso ter muita dedicação e coragem para trabalhar com comida”, conta Luiza.