Mulher que assassinou amiga grávida confessa que estudou como retirar bebê do ventre da mãe

Rozalba Maria Grime admitiu ter matado Flávia Godinho Mafra, de 26 anos, que estava no 8º mês de gestação, e retirado, de forma brutal, o bebê da barriga dela

Resumo da Notícia

  • A mulher que assassinou a amiga confessou, durante julgamento, que estudou como retirar o bebê do útero antes de cometer o crime
  • Rozalba admitiu ter matado Flávia Godinho Mafra, de 26 anos
  • A acusada deverá passar 56 anos na prisão

Acusada de matar a amiga para roubar o bebê dela, Rozalba Maria Grime confessou ter estudado como tirar a criança do ventre antes de assassinar Flávia Godinho Mafra, de 26 anos, quando ela estava no 8º mês de gestação. A confissão foi feita na última quarta-feira, 24 de novembro e o crime aconteceu em Canelinha, na Grande Florianópolis.

-Publicidade-

Rozalba começou a ser interrogada às 17h30 e admitiu, durante o depoimento, ter pesquisado sobre gravidez para simular sintomas. E, além disso, ela planejou todo o crime friamente: desde o chá de bebê falso, para que pudesse criar uma emboscada e atacar a amiga, até o assassinato e a retirada do bebê do ventre de Flávia.

Quando questionada sobre esses detalhes, Rozalba admitiu que estudou como retirar o bebê do útero e, ao ler as explicações, se sentiu capacitada para realizar o ato. Ela só se arrependeu do crime quando foi presa.

Rozalba foi condenada a 56 anos de prisão
Rozalba foi condenada a 56 anos de prisão (Foto: Reprodução/ SCC SBT/ Ronaldo Penido)

Sem remorso

Na reunião que começou às 8:30 da manhã de quarta-feira, 24 de novembro, e acabou por volta da meia-noite da quinta-feira, sete pessoas foram ouvidas, além do interrogatório da ré. A sessão foi acompanhada por um pequeno grupo de familiares da vítima. Rozalba Maria Grime não demostrou nenhum sentimento, nenhuma expressão, não derramou uma lágrima enquanto estava sendo julgada.

Rozalba admitiu ter matado Flávia Godinho Mafra, de 26 anos, que estava no 8º mês de gestação, e retirado, de forma brutal, o bebê da barriga dela. O crime aconteceu em agosto de 2020, em Canelinha, Santa Catarina. Desde então, ela está presa no Complexo Penitenciário de Florianópolis.

De acordo com Tribunal do Júri de SC, Rozalba respondeu processo pelos crimes de feminicídio qualificado por motivo torpe, com emprego de meio cruel; ocultação de cadáver; parto suposto; subtração de incapaz e fraude processual. Também por tentativa de homicídio qualificado pela impossibilidade de defesa. “Ela não poderá recorrer dos crimes em liberdade”, informou o TJSC.