Mulher que doou óvulos para esposa engravidar conta como faz para amamentar os filhos também

Ela fez questão de fazer parte desse momento tão único e resolveu encontrar uma forma de conseguir realizar esse sonho

Resumo da Notícia

  • Mães relatam trajetória com a maternidade
  • Elas decidiram ter um bebê por meio da inseminação artificial
  • O casal, então, encontrou uma forma das duas amamentarem os gêmeos

Julia e Mariana estão juntas há oito anos. Namoraram por seis meses e casaram-se em seguida. Logo que assumiram o relacionamento, as duas passaram por tudo que boa parte dos casais homossexuais precisam enfrentar: a dificuldade de contar para a filha, problemas com aceitação e, no caso delas, sendo duas mulheres, a questão da maternidade. Antes de se casarem, as duas conversaram a respeito e Julia sempre foi muito clara: se casasse com uma mulher, não teria filhos. Isso porque, como ela mesma disse em entrevista ao jornal El País, ela tinha muito medo de como seria a criação e como ficaria a cabeça da criança com o mundo em que vivemos.

-Publicidade-

“Até o dia em que um amigo meu me perguntou ‘você faz terapia há quanto tempo?’, e eu respondi ‘desde os sete anos’, e ele então me perguntou se meus pais eram gays e eu disse que não. E ele disse ‘então, você tinha outras questões para resolver, assim como seus filhos também terão, independentemente da opção sexual dos pais”, contou ela, ao jornal. Foi aí que a jovem, que sempre quis ser mãe, começou a cogitar a possibilidade da maternidade em um relacionamento homoafetivo.

Mães contam como fizeram para que ambas amamentassem os filhos, frutos da fertilização in vitro (Foto: Getty Images)

As duas, então, conversaram melhor sobre o assunto e, após amadurecerem a ideia, decidiram chamar um amigo, convidando-o a ser o doador de esperma para que fosse feita a inseminação artificial. Ele não topou.  “Se ter duas mães já é difícil, imagina duas mães e um pai?”, questionou o amigo.

Elas, então, se convenceram de que talvez essa realmente não seja a melhor opção e resolveram recorrer a um banco de sêmen. A partir daí, precisariam escolher se iriam recorrer a um banco brasileiro ou norte-americano. Como os dos Estados Unidos ofereciam mais informações sobre o doador, elas optaram por pegar de lá.

Feitas as escolhas, começaram os tratamentos comuns, que todas as pessoas que optam pela fertilização in vitro precisam fazer. No caso delas, acabaram decidindo que seria com os óvulos de Mariana, no útero de Julia. O processo todo custa cerca de 30.000 reais. Elas o repetiram por três vezes até que Julia engravidasse. As tentativas demoraram um ano, mas a tão esperada gravidez finalmente chegou e veio em dose dupla: elas estavam à espera de gêmeos!

As duas ficaram muito felizes com a notícia, mas Mariana queria mais. Além de ter o bebê, ela tinha vontade de poder amamentar o filho, assim como Julia. Ela então começou a procurar como poderia realizar este desejo. Fio aí que descobriu a indução de lactação.

O procedimento consiste, basicamente,  em um tratamento que incluía a ingestão de determinados hormônios, um medicamento cujo efeito colateral é a produção de leite e os lactogogos, alimentos e bebidas que, acredita-se, estimulam a produção do leite na mulher. Além disso, Mariana passou a fazer estímulos com a bombinha todos os dias.

Com o passar do tempo, algumas gotas de leite começaram a sair. Como os bebês nasceram prematuros,  as mães precisaram  tirar leite e deixar no banco de leite da maternidade ao longo dos 22 dias que eles permaneceram internados na UTI neonatal e recebiam o alimento por uma sonda. “O dia em que estávamos no banco de leite e começou a sair leite de verdade de mim, nós duas demos as mãos e começamos a chorar. Foi muito emocionante”, contou Mariana, em entrevista ao El País.

Depois de um tempo, os bebês tiveram alta e as duas mães, juntas, conseguiram alimentar os filhos por meio da amamentação. Apesar da felicidade com os bebês e com a dupla amamentação, as duas contaram que passaram por momentos difíceis durante os tratamentos, já que os hormônios a deixavam irritadas, com oscilação de humor e isso acabava fazendo com que elas discutissem com frequência.

Hoje, tudo está funcionando como planejaram e as duas gostaram tanto da experiência no final das contas que, agora, Mariana pretende engravidar com os óvulos de Julia. Só ainda não sabem quando.