Mulher reencontra pai biológico e descobre meia-irmã após ser rejeitada pela mãe

Ann Melbourne foi adotada e já mais velha foi atrás da família para conhecê-los. Depois de se decepcionar com a mãe, ela teve uma ótima surpresa

Resumo da Notícia

  • Uma mulher reencontrou o pai biológico aos 52 anos de idade e ainda descobriu que tinha uma meia-irmã
  • Ann Melbourne havia se decepcionado ao ir atrás da mãe biológica e ser rejeitada
  • Ann falou sobre a alegria de estar em contato com o pai e a irmã

Uma mulher ficou destruída depois de reencontrar a mãe biológica e ser rejeitada por ela. Ann Melbourne, de 52 anos, foi adotada ainda pequena, e a rejeição da mãe biológica já mais velha deu um gás a mais para que ela procurasse o pai biológico.

-Publicidade-
Uma mulher descobriu que tinha uma meia-irmã ao reencontrar o pai biológico (Foto: reprodução/ITV)

A procura não foi fácil, mas após 12 anos desse processo, ela finalmente encontrou ele em um momento emocionante e de muitas lágrimas no início deste ano. Leslie, que tem 72 anos de idade, também descobriu recentemente ser pai de outra menina, Jenny Pugsley, de 47 anos. Assim, Ann não apenas ganhou um pai, mas uma meia-irmã.

O pai está com demência e alguns problemas de saúde, mas já disse para a filha que a amou desde o primeiro dia. Ambos também compartilham a paixão pelo futebol. “O que eu ganhei é fenomenal. Meio que me tirou o fôlego”, disse ao ITV.

Ann relembrou o desapontamento com a mãe biológica: “Ela me prometeu me encontrar… Eu estava explodindo de ansiedade para vê-la e já tinha planejado nossa conversa”, porém ela nunca mais entrou em contato e a filha descobriu que era um “segredo” e que a mãe não queria conhecê-la.

Ann Melbourne encontrou o pai biológico após anos de procura e até ser rejeitada pela mãe biológica (Foto: reprodução/ITV)

Orgulhosa em ser mãe de três meninos, ela contou que espera reunir a família e ainda comentou sobre a coincidência pela meia-irmã ter conhecido o pai recentemente, assim como ela, apenas com semanas de diferença.

“Ela é minha irmã e fala sobre família assim como eu. Me sinto muito próxima dela”, contou Ann. Já Jenni acrescentou: “Eu não posso acreditar. Eu nunca pensei que alguém teria a mesma história que eu. Eu sinto que já existe uma conexão”.