Nome de Príncipe Louis vai mudar quando rainha Elizabeth morrer para seguir tradição estranha da realeza

O filho caçula de Príncipe William e Kate Middleton terá seu nome alterado para seguir a tradição da realeza à medida que os membros sobem na hierarquia

Resumo da Notícia

  • O nome de Louis, filho caçula de Príncipe William e Kate Middleton vai mudar
  • A família real tem uma tradição de mudar os nomes de membros da realeza à medida que eles sobem na hierarquia
  • Louis é o quinto nome na linha de sucessão ao trono britânico
 

O nome de Louis, filho caçula de Príncipe William e Kate Middleton vai mudar. Segundo o jornal britânico Daily Express, a família real tem uma tradição de mudar os nomes de membros da realeza à medida que eles sobem na hierarquia.

-Publicidade-

Louis (4 anos) é o quinto nome na linha de sucessão ao trono britânico – atrás do avô (Príncipe Charles), do pai (Príncipe William), do irmão (Príncipe George) e da irmã (Princesa Charlotte).

A família real compartilhou fotos inéditas de príncipe Louis no aniversário de 4 anos dele
A família real compartilhou fotos inéditas de príncipe Louis no aniversário de 4 anos dele (Foto: Reprodução Instagram @dukeandduchessofcambridge)

O nome oficial completo de Louis é Sua Alteza Real Príncipe Louis Arthur Charles de Cambridge. O Cambridge é referência ao título atual de seu pai, o Duque de Cambridge.

Quando a Rainha Elizabeth II morrer e o Príncipe Charles virar rei, o Príncipe William passa a ser Príncipe de Gales. Por isso, Gales passa a ser o sobrenome de seus filhos: George Gales, Charlotte Gales e Louis Gales.

(Foto Chris Jackson/Getty Images)

Gales já foi inclusive o sobrenome do pai (William) e do tio (Harry) de Louis. Os dois mudaram os nomes novamente quando se tornaram duques – apesar de residente nos Estados Unidos, o marido da atriz Meghan Markle segue sendo o Duque de Sussex.

Babá da família real

Ao se tratar da Família Real britânica, pessoas do alto escalão da realeza, pode-se imaginar um estilo de vida um tanto quanto agitado. Com cargos públicos que os obrigam a sempre viverem viajando ao redor do mundo, sendo assim, nem sempre estão disponíveis. Segundo o portal jornalístico The Mirror, o duque e a duquesa de Cambridge contrataram a babá Maria Teresa Turrion Borrallo, para ela ser a responsável pelos cuidados dos filhos da realeza.

Em depoimento, o casal contou que a babá começou a trabalhar para a família quando o George tinha apenas seis meses de idade. Com o passar do tempo, ela se tornou um membro indispensável na gestão familiar. Ela se fincou na família não só por sua boa relação com os integrantes dela, mas sim, por sua competência profissional. Visto que, a Maria foi treinada no Norland College, onde babás aprendem desde como cuidar de crianças até direção defensiva.

Por conta da grande universidade de prestígio que a Maria cursou, ela se tornou uma babá extremamente qualificada. O que possibilitou que ela ganhasse aproximadamente £ 120.000 (equivalente a R$ 600.000) , segundo o The Mirror. Além de vantagens incluindo bolsas de grife, viagens ao exterior e alojamentos.

A Maria se formou no Norland College, renomada instituição que forma babás
A Maria se formou no Norland College, renomada instituição que forma babás (Foto: Reprodução/The Mirror/Getty Images)

Em entrevista ao Daily Mail, a Janet Rose, diretora do Norland College, disse que os alunos precisam ser “criativos, resilientes e práticos”. Além de ser capazes de manter os segredos se seus empregadores (algo que com certeza deve ter na Família Real)

“Entre muitas características, as babás Norland precisam ser amorosas, gentis, honestas, criativas, práticas, responsáveis, organizadas e dispostas a aprender e melhorar continuamente para fazer o melhor pelas famílias e crianças pequenas com quem elas trabalhar”, disse Janet.

“Não estamos procurando um conhecimento profundo de bebês e crianças pequenas porque vamos ensiná-los isso. Em vez disso, estamos procurando o que não podemos ensinar – um compromisso absoluto de ser a pessoa que muda o mundo através da formação a vida das crianças com quem trabalham”, finalizou.