Nova espécie de dinossauro brasileiro é descoberta por pesquisadores do Museu Nacional

O dinossauro possui um dos esqueletos mais completos entre os répteis descobertos no Brasil

Resumo da Notícia

  • Descoberta brasileira! O mais novo fóssil de dinossauro foi anunciado pelo Museu Nacional
  • Berthasaura Leopoldinae é um animal pré-histórico que viveu no país há 7o milhões de anos atrás
  • O fóssil está em ótimo estado de conservação

Nesta quinta-feira, dia 18 de novembro, o Museu Nacional da UFRJ divulgou a sua mais nova descoberta: Berthasaura Leopoldinae, nova espécie de dinossauro brasileira (e sem dentes!).

-Publicidade-

O animal pré-histórico foi encontrado em um trecho rural do município de Cruzeiro do Oeste, localizado no Paraná, local conhecido como “Cemitério dos Pterossauros” por conta de descobertas anteriores.

Berthasaura Leopoldinae recebeu no nome uma homenagem a bióloga e cientista Bertha Lutz, à escola de samba Imperatriz Leopoldinense e também à imperatriz Maria Leopoldina. A notícia sobre o descobrimento foi divulgada no periódico Scientific Reports, da Nature Research, e também nas redes sociais do próprio Museu Nacional.  Para ver este conteúdo, clique aqui!

A descoberta sobre a Berthasaura Leopoldinae foi divulgada nas redes sociais do Museu Nacional
A descoberta sobre a Berthasaura Leopoldinae foi divulgada nas redes sociais do Museu Nacional (Foto: Reprodução Instagram @museunacional1818)

“Com idade estimada de aproximadamente 70 milhões de anos, Berthasaura leopoldinae representa um dos esqueletos mais completos desses répteis descobertos no Brasil, tem apenas 1 metro e surpreende os pesquisadores por não ter dentes.”

De acordo com Alexandre Kellner, o diretor do museu, o nível de conservação dos fósseis do dinossauro impressionou os paleontólogos. “Temos restos do crânio e mandíbula, coluna vertebral, cinturas peitoral e pélvica e membros anteriores e posteriores, o que torna “Bertha” um dos dinos mais completos já encontrados no período Cretáceo brasileiro”, afirmou durante entrevista exclusiva ao G1.

Além de não ter dentes, foram divulgados mais dados sobre a fisiologia do animal pré-histórico. “Essa espécie tinha por volta de 1 metro de comprimento, não passando de 80 centímetros de altura. O peso ainda não foi determinado, mas não passaria de 8, 10 kg”, afirmou um dos pesquisadores da descoberta, Geovane Alves de Souza.

O animal pré-histórico tem o fóssil mais completo de um dinossauro do período cretáceo no Brasil já encontrado
O animal pré-histórico tem o fóssil mais completo de um dinossauro do período cretáceo no Brasil já encontrado (Foto: Divulgação/Museu Nacional)