Novo estudo prova que coronavírus pode se reproduzir em altas temperaturas e indica novo caminho

A pesquisa foi feita na França e mostrou que a covid-19 é capaz de se replicar em até 60° C. Quando o ambiente está bem higienizado, no entanto, as possibilidades diminuem

Resumo da Notícia

  • Pesquisa mostra que o coronavírus pode se reproduzir em elevadas temperaturas
  • O estudo mostrou mais uma vez a importância da higienização
  • As descobertas foram feitas na França
  • Veja os resultados
Pesquisa mostra que coronavírus pode sobreviver em altas temperaturas (Foto: Getty Images)

Um estudo feito na Universidade de Aix-Marselha, na região de Provence, no sul da França,demonstrou que o coronavírus pode sobreviver à exposição a temperaturas de até 60 ° C  por períodos relativamente longos. A descoberta sugere que medidas padrão usadas para desinfecção em laboratórios de pesquisa – aquecimento a tal temperatura por uma hora – são ineficazes contra a COVID-19.

-Publicidade-

Para matar o vírus, os pesquisadores descobriram que precisavam manter a temperatura de 92 ° C por um quarto de hora. Nos testes os cientistas usaram células renais de um macaco verde africano – hospedeiro padrão para testes de atividade viral – que foram infectadas com coronavírus que foi isolado de um paciente em Berlim, na Alemanha.

Essas células foram então carregadas em tubos representando dois tipos diferentes de ambientes, um ‘limpo’ e o outro ‘sujo’. Este último utilizou proteínas animais para simular a contaminação biológica encontrada em amostras reais – como cotonetes orais.

-Publicidade-

A equipe então aqueceu ambas as amostras a 140 ° F (60 ° C) por uma hora, conforme os protocolos de limpeza padrão. No entanto, segundo o portal britânico Daily Mail, enquanto os vírus no ambiente limpo foram completamente desativados, a equipe descobriu que alguns no ambiente sujo sobreviveram e ainda foram capazes de se replicar a essa temperatura.

Para realmente desativar o vírus, os pesquisadores tiveram que aumentar a temperatura para perto do ponto de ebulição da água (100°C) por 15 minutos.

O protocolo de aquecimento de amostras virais a 140 ° F (60 ° C) por uma hora é padrão em muitos laboratórios que trabalham com vários vírus mortais, incluindo o Ebola. Ou seja, há a possibilidade dos vírus ainda estarem presentes em alguns desses laboratórios.

Os resultados do estudo são de grande importância, pois o mundo vê a demanda por testes de coronavírus aumentar. Tais testes são realizados por funcionários que podem ser acidentalmente expostos à covid-19 se forem utilizados protocolos inadequados de desinfecção.

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!