Novo recorde! Mãe dá à luz bebê de embrião congelado há 27 anos

Em Tennessee, nos EUA, Molly Everette Gibson tem apenas um mês de vida, mas já bateu um recorde

Resumo da Notícia

  • Molly Everette Gibson tem apenas um mês de vida, mas já bateu um recorde
  • Os embriões de Emma e Molly foram congelados juntos em outubro de 1992
  • O procedimento da transferência do embrião para útero da mãe foi realizado em 10 de fevereiro e Molly nasceu com saúde no dia 26 de  outubro

Em Tennessee, nos EUA, Molly Everette Gibson tem apenas um mês de vida, mas já bateu um recorde. A menina, filha de Tina, de 29 anos e Ben Gibson, 36 anos, nasceu de um embrião que foi congelado há 27 anos, que foi gerado por outro casal. O procedimento da transferência do embrião para útero da mãe foi realizado em 10 de fevereiro e Molly nasceu com saúde no dia 26 de  outubro.

-Publicidade-
Como foram doados anonimamente, os pais biológicos permanecem desconhecidos (Foto: Reprodução / NY Post)

A família que bateu recordes! De acordo com o New York Post, o embrião  que passou 27 anos congelado, bateu um novo recorde, segundo a equipe de pesquisa da Biblioteca Médica Preston da Universidade de Tennessee. O recorde anterior foi estabelecido pela irmã da bebê, Emma Wren Gibson, que nasceu em 2017, após o embrião ficar congelado por 24 anos. Como foram doados anonimamente, os pais biológicos permanecem desconhecidos.

Tina e Benjamin, procuraram o hospital responsável pelo procedimento(NEDC), pela primeira vez após tentar naturalmente ter o próprio filho ao durante cinco anos. Benjamin tem fibrose cística, que pode causar infertilidade. Então, o casal, casado há 10 anos, já havia criado filhos adotivos e estava considerando a adoção tradicional.

-Publicidade-

Mas, no início de 2017, os pais de Tina contaram a eles sobre a organização sem fins lucrativos depois de assistir a um artigo sobre ela no noticiário da TV local. “Nós estávamos tipo, ‘Isso parece loucura. Não, obrigada, não estamos interessados ​​’”, lembrou Tina sobre a perspectiva de conceber com um embrião de doador . “Então ficamos pensando sobre isso e não conseguíamos tirar isso da cabeça”, relembra.

Emma acabou dando luz a vida dos pais e depois de alguns anos os pais decidiram ter outro bebê (Foto: Reprodução / NY Post)

Eles decidiram visitar o centro (convenientemente localizado na cidade natal) e foram apresentados aos perfis de cerca de 300 estranhos que doaram embriões sobressalentes após o tratamento de fertilização in vitro. “Não éramos exigentes. Nós só queríamos um bebê”, disse Tina.

No entanto, eles restringiram a escolha aos casais de baixa estatura – “nós dois somos pessoas pequenas”, riu Tina – antes de considerar o histórico de saúde dos doadores. Eles finalmente selecionaram o embrião que mais tarde se tornou Emma em março de 2017. Tina só descobriu no dia da transferência que estava congelado há 24 anos. “Perguntei ao especialista, Dr. Jeffrey Keenan: ‘O que isso significa?’ ” ela lembrou. “E ele respondeu: ‘Bem, pode ser um recorde mundial”.

Emma acabou dando luz a vida dos pais e depois de alguns anos os Gibsons queriam dar a ela um irmão ou irmã. E então, os pais decidiram transferir os dois embriões restantes dos mesmos doadores.

Procedimentos

Os embriões de Emma e Molly foram congelados juntos em outubro de 1992 (Foto: Reprodução / NY Post)

Os embriões de Emma e Molly foram congelados juntos em outubro de 1992. “Quando Tina e Ben voltaram para fazer a transferência, fiquei emocionada que os dois embriões restantes do doador que resultou no nascimento de Emma sobreviveram ao degelo e se desenvolveram em dois embriões de boa qualidade para a transferência”, disse a embriologista Carol Sommerfelt, que descongelou o embrião de Molly ao NY Post.

A médica ainda ressaltou que esse recorde certamente foi um marco na área da fertilidade. “Isso definitivamente se reflete na tecnologia usada há tantos anos e na capacidade de preservar os embriões para uso futuro por um período indefinido”,  disse Carol.