Olimpíadas de Tóquio: Organização explica porquê separou mães atletas de bebês em período de amamentação

Medidas de restrição foram impostas pelo governo japonês visando conter contágios e evitar novos casos de doenças causados pela Covid-19

Resumo da Notícia

  • Mães atletas não puderam amamentar os filhos na Vila Olímpica
  • Ona Carbonell ficou decepcionada com as medidas tomadas pela Organização dos Jogos Olímpicos
  • O porta-voz dos jogos de Tóquio explicou o porquê das restrições impostas à amamentação

A organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio se viu em uma situação complicada após a nadadora Ona Carbonell, da Espanha, ter contado que foi impedida de amamentar o filho Kai, de apenas 11 meses, divido à restrições  impostas pelo governo japonês frente à pandemia da covid-19. Ela decidiu deixar o menino em casa para poder competir.

-Publicidade-
Os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio explicaram o porquê das restrições na amamentação (Foto: Getty Images)

Os organizadores do evento disseram que tentaram encontrar soluções para o problema. Todos os atletas que estão competindo nos Jogos Olímpicos estão seguido protocolos rígidos, para minimizar o contágio e evitar que surjam novos casos da doença.

As mães atletas que amamentam tinham a opção de levar os bebês para Tóquio, mas os pequenos não poderiam se hospedar na Vila Olímpica, eles precisavam ficar em um hotel separado dos atletas. Sobre a regra imposta pelo comitê, Ona falou: “Apesar do surgimento de algumas notícias que sugeriam a possibilidade de os atletas viajarem para os Jogos Olímpicos de Tóquio acompanhados de bebês ou crianças pequenas, fomos informados pelas entidades organizadoras de algumas medidas extremamente drásticas que tornam essa opção impossível para mim”.

Ona Carbonell foi impossibilitada de amamentar o filho durante os jogos olímpicos (Foto: Reprodução/ Instagram/ @ona_carbonell)

A nadadora, indignada, questionou a imposição e afirmou: “Se eu fosse amamentar meu filho Kai sempre que ele precisasse durante o dia, teria que deixar a Vila Olímpica e ir para o hotel, arriscando a minha saúde e a da minha equipe”.

Ao portar Reuters,  Masa Takaya, o porta-voz dos Jogos de Tóquio,  disse que toda essa preocupação em relação à amamentação dos bebês são importantes no combate ao vírus que ainda circula pelo mundo. Ele explicou: “Discutimos muito sobre como poderíamos ter um bom equilíbrio entre entregar o ambiente mais seguro e protegido e atender aos pedidos especiais dos Comitês Olímpicos Nacionais. Temos certas orientações para permitir que os atletas viajem com seus filhos para o Japão. Dada a situação, os bebês não podem ter acesso dentro da Vila”.