Os primeiros mil dias do bebê: a importância dessa etapa para a construção da flora intestinal

Na gravidez, a mãe tem um papel fundamental para o desenvolvimento da flora intestinal do bebê, que irá trazer reflexos no futuro. Durante os primeiros mil dias de vida, a nutrição e a flora intestinal são essenciais para fortalecer a defesa e estruturar as bases do organismo para uma vida mais saudável e com bem-estar

Resumo da Notícia

  • 70% das células de defesa estão concentradas no intestino
  • A construção da flora intestinal do bebê começa ainda na gestação
  • Os primeiros mil dias de vida podem aumentar as chances da criança se tornar um adulto saudável no futuro

Os primeiros 1000 dias de vida. É desde o momento da concepção do embrião, passando pelo parto, até os dois anos do bebê, que essa fase tão essencial para o desenvolvimento do seu filho é formada. E acredite: quando bem sucedidos, os primeiros mil dias de vida podem aumentar as chances da criança se tornar um adulto saudável no futuro. Durante essa fase, a nutrição e a flora intestinal têm um papel fundamental para fortalecer a defesa e estruturar as bases do organismo para uma vida mais saudável e com bem-estar.

-Publicidade-

Antes de qualquer coisa, é importante saber que a flora intestinal vai muito além do cocô: cerca de 70% das células de defesa estão concentradas no intestino, cerca 100 milhões de neurônios estão conectados no intestino por meio de sinapses que produzem vários neurotransmissores e 95% da serotonina, o hormônio da felicidade, do organismo é produzida na região intestinal.

E a construção de tudo isso começa ainda na gestação. Até pouco tempo atrás, acreditava-se que os recém-nascidos fossem completamente “livres de germes” e que a colonização do intestino com aquelas famosas bactérias “do bem” e “do mal” acontecesse apenas durante o parto. Mas estudos recentes têm mostrado que a formação da flora intestinal do bebê pode começar ainda durante a gravidez, por meio do contato com as bactérias presentes na placenta e no líquido amniótico.

Após o nascimento, independentemente do tipo de parto, os bebês entram em contato com bactérias e vírus do ambiente por meio da dieta e das pessoas que os cercam. Durante os dois primeiros anos de vida, a flora intestinal do bebê passa por importantes modificações, já que seu filho vai vivenciar grandes mudanças alimentares, novas exposições ambientais e a construção do sistema imunológico.

São vários os fatores que auxiliam o desenvolvimento da flora intestinal do bebê, que tem início desde a gestação (Foto: Shutterstock)

Por isso, a flora intestinal da mãe é essencial para o desenvolvimento saudável do bebê e até para a manutenção da gravidez. Um bom exemplo disso é que a composição da flora intestinal do recém-nascido no fim da primeira semana de vida tem uma semelhança notável com o colostro. Isso mostra a importância das bactérias do leite materno na colonização do intestino do recém-nascido.

Hábitos saudáveis na gravidez

A partir de bons hábitos como alimentação saudável, controle do peso e atividade física, é possível interferir na composição e também na diversidade da flora intestinal. Mas o assunto não para por aí! De acordo com o gastroenterólogo Dr. Daniel Baptista, coordenador do Centro de Doenças Inflamatórias Intestinais do Hospital Nove de Julho, esse é um dos motivos da necessidade da grávida investir em hábitos de vida mais saudáveis. “Faça exercícios frequentes e tenha uma dieta equilibrada e rica em fibras, com menor teor de açúcar e gorduras. Prefira ainda alimentos não processados, sem conservantes, aromatizantes ou adoçantes. Frutas, hortaliças, ervas e especiarias, sementes oleaginosas e óleos vegetais, como azeite de oliva, são excelentes opções. Além disso, boas noites de sono também costumam ajudar. O manejo da ansiedade e do estresse é fundamental”.

Ao longo dos primeiros mil dias, o trato gastrointestinal do bebê se modifica e aprimora. Colonizado por diversos de micro-organismos, incluindo as bactérias benéficas (que combatem a ação das bactérias patogênicas que podem causar desequilíbrio no corpo e doenças), ele forma uma defesa forte que cuida da saúde daquela criança não só durante a infância, mas também ao longo de toda a vida adulta. Por isso, é extremamente importante manter hábitos saudáveis desde o dia 1 da gestação para que seu filho possa se beneficiar com uma flora intestinal saudável. No decorrer desse tempo, a microbiota do bebê pode ser moldada ainda dentro da barriga da mãe com alimentação adequada e hidratação.

De mãe para filho

Após o nascimento do bebê, o aleitamento materno é uma das etapas que mais contribuem para a construção de uma flora intestinal saudável. Segundo a enfermeira obstetra Cinthia Calsinski, especialista e consultora em amamentação, mãe de Matheus, Bianca e Carolina, o leite materno tem um papel fundamental para a formação da microbiota do bebê e sua saúde. “O aleitamento materno exclusivo nos primeiros meses de vida fornece elementos prebióticos, substâncias que alimentam e promovem o crescimento de bactérias benéficas, além de interferir na imunidade, já que transfere anticorpos, especialmente as chamadas imunoglobulinas do tipo A, que conferem proteção às mucosas. Isso ocorre no momento em que o sistema imune do bebê também está amadurecendo, sendo fundamental até cerca de dois a três anos de vida”, completa o Dr. Daniel Baptista.

Por isso, é muito importante adotar hábitos saudáveis para equilibrar a sua flora intestinal, como:

  • Reduzir, sempre que possível, níveis de estresse e ansiedade;
  • Evitar bebidas alcoólicas;
  • Praticar exercícios físicos;
  • Ter uma alimentação saudável;
  • Consumir 2 litros de água por dia;
  • Inserir probióticos na rotina quando for necessário

Probióticos são uma ajuda e tanto!

Além dos alimentos que são fontes de probióticos, é possível também investir em suplementos probióticos. Além de promover o reequilíbrio da flora intestinal, eles são muito mais práticos e fáceis de administrar. Justamente por terem como base os micro-organismos vivos, os probióticos podem trazer diversos benefícios à saúde. Quando são administrados em quantidades adequadas, eles são especiais para o corpo e fazem a diferença! A partir disso, podem controlar a multiplicação das bactérias do bem e interagir com a flora intestinal. Enterogermina tem tripla ação: equilibra, restaura a flora e fortalece a defesa.¹ Ele é uma alternativa prática e fácil de tomar, vem em formato de flaconete, não precisa misturar com sucos, é só abrir e tomar. Além de não possuir gosto, açúcar, lactose, glúten e corantes. Pode ser usado por toda a família, desde os 0 anos.

A boa notícia é que as crianças também podem continuar tomando probióticos, desde que sejam recomendados pelo pediatra. Geralmente, pelo fato da flora intestinal não estar completamente formada, eles podem auxiliar para uma menor probabilidade de desequilíbrios, uma vez que funcionam de maneira preventiva. Por isso, é muito importante que os pais sejam espelhos para os filhos, focando na prevenção e cuidados que serão levados para a vida inteira.

¹Uma flora intestinal equilibrada promove um ambiente desfavorável para bactérias patogênicas, promovendo a
saúde intestinal. Paixão & Castro, 2016. DOI: 10.5102/ucs.v14i1.3629.

ENTEROGERMINA® “O Bacillus clausii (probiótico) contribui para o equilíbrio da flora intestinal. Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.” NÃO CONTÉM GLÚTEN. Leia
atentamente o rótulo.

MAT-BR-2104048