Outras vítimas do anestesista prestam depoimentos: “Ele ficava falando baixinho ao meu ouvido”

Giovanni Quintella Bezerra foi preso em flagrante por estuprar uma grávida durante o parto na última segunda-feira, 11 de julho

Resumo da Notícia

  • Mais uma paciente do anestesista Giovanni Quintella Bezerra foi ouvida pela polícia
  • Ela realizou o terceiro parto com o médico no dia 5 de junho
  • A paciente estranhou o procedimento adotado por ele durante a cesárea

Mais uma paciente do anestesista Giovanni Quintella Bezerra, que foi preso em flagrante na última segunda-feira, 11 de julho, foi ouvida pela polícia. Ela realizou o terceiro parto com o médico no dia 5 de junho e estranhou o procedimento adotado por ele durante a cesárea.

-Publicidade-

A mulher de 30 anos contou que foi completamente sedada durante o parto, e comparou com os outros dois partos que ela passou com os primeiros filhos. “Estranhei porque fui completamente sedada, com anestesia geral. Essa é minha terceira cesárea e nunca aconteceu isso das outras vezes”, disse a técnica de radiologia. Nesta terça-feira, dia 12, a mãe de 3 crianças foi na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de São João de Meriti (Deam), onde outras vítimas também foram ouvidas.

“Não sei se aconteceu alguma coisa comigo, estava sedada, mas quando vi na TV fiquei desesperada. A única coisa que me recordo da cirurgia é da voz dele. Ele ficava falando baixinho ao meu ouvido, isso me incomodava. Ele perguntava se eu estava bem”, disse a mulher. Paciente do médico que foi filmado estuprando uma de suas pacientes grávidas durante o parto, ela expressou a tristeza pela conduta do médico: “Isso que ele fez é uma violência com a gente e com a família. A gente não tem segurança no momento mais feliz da nossa vida. Deus queira que ele seja o único (estuprador), porque ele já foi preso e a Justiça já foi feita. Mas é importante que outras mulheres venham à delegacia para denunciar essa violência”.

O marido da vítima também deu depoimento em que contou que após o nascimento do filho, ele teve que deixar a sala do parto, não ficando com a esposa até o final como no nascimento dos outros filhos. “Depois que eu saí, ela foi sedada. Tudo isso é revoltante”, destacou o pai.

A mulher de 30 anos contou que foi completamente sedada durante o parto. (Foto: Reprodução / G1)

Novos relatos

Uma outra paciente que é possível vítima do anestesista contou que passou por um parto complicado no dia 3 de junho. A mulher de 37 anos teve pressão alta e até precisou de transfusão de sangue durante a cesárea, mas achou estranho a sedação. “Ele me tranquilizou, disse que ia me anestesiar, que era só pra eu relaxar. Eu apaguei e só acordei quando ele já estava limpando as mãos ou tirando as luvas. Não sei bem, estava tudo embaçado ainda”, lembrou ela.

A mãe ficou preocupada com a sedação, que deu um apagão nela: “É uma situação muito delicada. Ninguém entra numa cirurgia preocupada se vai acontecer alguma coisa, se vai ser abusada. O que me preocupou, e que falei pra minha mãe e meu companheiro, foi a sedação, o apagão. Quando vi o caso na TV foi um susto. A gente fica pensando, será que aconteceu? Será que ele conseguiu? É muito dolorido. A gente não está saindo na noite, é muito delicado”, falou ela.