Padrasto de criança é preso após menino apresentar várias lesões e uma fratura no braço

Os médicos constataram que o menino tinha lesões causadas por agressões domésticas. O padrasto da criança foi preso. O caso segue em investigação e conta com a ajuda do Conselho Tutelar

Resumo da Notícia

  • Menino é encontrado com sinais de lesões domésticas causadas pela mãe e padrasto
  • Os responsáveis pela criança foram presos
  • O caso também segue supervisionado pelo Conselho Tutelar

Durante a noite desta quinta-feira, 5 de maio, o padrasto de uma criança foi detido em Prudentópolis, na região central do Paraná. Segundo a Polícia Civil, o menino de apenas dois anos foi hospitalizado com graves sinais de tortura. De acordo com reportagem do G1, a mãe do garoto está presa desde o dia 30 de abril, suspeita de tortura, após os médicos constataram que a criança estava com várias lesões e com uma fratura no braço.

-Publicidade-
Polícia Civil do Paraná
Polícia Civil do Paraná (Foto: Reprodução / Fábio Dias / PCPR)

No momento, o caso corre sob segredo de Justiça, Mas, a Polícia Civil informou que os investigados da criança devem ser indiciados pelo crime de tortura. O padrasto ainda será ouvido.

De início, o menino foi transferido para um hospital de Guarapuava, mas foi levado para uma instituição de acolhimento após receber alta.

O caso

De acordo com a polícia, a mãe informou que encontrou o filho sozinho na sala de estar durante a madrugada. Ao lado da criança, segundo ela, tinha um tesoura e uma faca de serra. No mais, ela ainda acrescentou que pediu ajuda para a sogra, e na sequência levou o menino para o hospital. Ao ser questionada pela Polícia Militar, a mulher falou que estava sozinha em casa.

Os policiais militares ouviram o médico que atendeu a criança. O profissional da saúde afirmou que diagnosticou várias lesões, que aparentavam ter sido feitas em ocasiões diferentes.

Entre os machucados encontrados no dia do exame, estava uma fratura no braço direito e uma lesão feita por um objeto cortante, localizada na cabeça da vítima. O laudo excluiu qualquer possibilidade de lesões causadas por acidente doméstico.

A mãe foi conduzida à delegacia e interrogada. No depoimento, ela falou que o menino tinha caído da cama. O Conselho Tutelar também foi acionado para investigar o caso.