Pai cria projeto para ajudar mulheres com depressão pós-parto: “Minha melhor terapia”

Ele perdeu a esposa há 9 anos pela doença e se sentiu motivado a ajudar outras mães através da Fundação Alexis Joy D’Achille Center for Perinatal Mental Health

Resumo da Notícia

  • Pai criou projeto para ajudar mulheres com depressão pós parto
  • Ele perdeu a esposa com pela doença em 2013
  • Após o ocorrido, ele se sentiu motivado a levar a fundação adiante

Em 2013, o pai Steven D’Achille, perdeu a esposa Alexis, de 30 anos, por suicídio após sofrer com depressão pós-parto. Por conta disso, ele resolveu criar um centro de tratamento hospitalar em Pittsburgh, Pensilvânia, para ajudar outras mães que passam pela mesma situação.

-Publicidade-

Alexis havia tentado suicídio após ter um pico da depressão, 10 dias depois do ocorrido, ela faleceu na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). O marido acredita que isso ocorreu por ela não ter tido o auxílio médico necessário para o tratamento da doença.

Pai cria projeto para ajudar mulheres com depressão pós parto
Pai cria projeto para ajudar mulheres com depressão pós parto (Foto: Reprodução / Steven D’Achille / Parents)

“Minha esposa acreditava que seu primeiro ato de ser mãe estava prejudicando sua filha”, contou Steven. “Foi imediato”, acrescentou. “E a cada dia piorava mais”, disse. “Ela ouvia choros de bebês fantasmas, então não conseguia dormir. Ela não comia e perdeu 50 libras (aproximadamente 22 kg) em cinco semanas e meia”, relembrou.

Apesar do momento desafiador, Steven se sentiu motivado a ajudar outras mulheres que estão passando pela mesma situação. Ele criou a Fundação Alexis Joy D’Achille Center for Perinatal Mental Health no West Penn Hospital, para aumentar a conscientização e os fundos daqueles que lidam com ansiedade perinatal e transtornos de humor.

Pai cria projeto para ajudar mulheres com depressão pós parto
Pai cria projeto para ajudar mulheres com depressão pós parto (Foto: Reprodução / Steven D’Achille / Parents)

Com isso, ele já conseguiu proporcionar tratamentos para cerca de 6 mil mulheres. “Eu enlouqueci depois que tive minha filha, mas o psiquiatra de lá ajudou com minha medicação e terapia”, relatou Brittany Kenna, de 33 anos, uma das pacientes que recebeu auxílio do projeto de Steven.

O pai afirmou que irá dedicar seu tempo para desenvolver esse projeto e abrir mais centros em diversos lugares dos Estados Unidos. “Tem sido a minha terapia”, afirmou. “Eu não quero que a morte de Alexis seja em vão”, concluiu.