Pai de aluna agride professor após denúncia de assédio sexual

O caso aconteceu em uma escola estadual na Cidade de Cosmópolis, interior de São Paulo. Por lá, a jovem relatou que não foi a primeira vez que foi assediada pelo professor – e nem a única aluna

Resumo da Notícia

  • Um pai de aluna agrediu um professor após denúncia de assédio sexual
  • O caso aconteceu em uma escola estadual na cidade de Cosmópolis, no interior de São Paulo
  • Por lá, a jovem relatou que não foi a primeira vez que foi assediada pelo professor - nem a única aluna

Um pai de uma aluna agrediu o professor que teria assediado a menina em uma escola estadual de Cosmópolis, no interior de São Paulo. A adolescente, de apenas 14 anos de idade, teria relatado que essa não foi a primeira vez que o homem a assediava – e que não era a única menina a passar pela situação.

-Publicidade-

A briga foi filmada por colegas de classe na aluna. No vídeo, é possível perceber que o pai da jovem defere socos e chutes contra o professor de 45 anos de idade. Agora, o caso está sendo apurado pela Secretária Estadual da Educação em parceria com a Polícia Civil.

Além do docente acusado, outro professor que tentou apartar a briga foi parar no pronto-socorro. Dois boletins de ocorrência foram registrados desde então: o de assédio sexual e o de lesão corporal. Sobre a denúncia, a vítima conversou com o G1 sobre o ocorrido – e preferiu não se identificar.

“Hoje, na nossa sala, a gente estava conversando, entre eu e as meninas e tinha um amigo meu no meio, e aí ele [professor] acabou falando assim, que se não tivesse casado, ele transaria comigo. E aí eu fingi que não tinha ouvido, ele falou de novo. Aí eu fiquei parada, assim, porque eu fiquei em choque, né?”.

A situação foi filmada por estudantes que presenciaram a cena
A situação foi filmada por estudantes que presenciaram a cena (Foto: Reprodução/ G1)

E ainda completa, “Não é a primeira vez que acontece isso, nem só comigo, mas também com outras meninas, não só da minha sala também. Não de, de ele falar isso, mas de passar a mão em cabelo, ficar apertando na nossa perna, e relar na nossa cintura… tendo uma intimidade que não existe entre ele e as alunas”.

Diante do ocorrido, a adolescente relata que foi para o banheiro em desespero e ligou para os pais. “Liguei pra minha mãe chorando, tava desesperada, e ela me ligou, falou com meu pai, meu pai mandou mensagem, eu mandei um áudio pra ele de dentro do banheiro, depois eu fui na sala de novo, pegar minha mochila, e depois fiquei lá no pátio e meu pai chegou”.

Sobre a briga, o pai da estudante, também ao G1, declarou, “Mesmo eu ‘tando’ certo, a gente agrediu, perde a razão, né? A agressão, ela se torna um erro. Mas… Como pai… Não sei se você é pai, talvez se você for pai, talvez sua atitude seria a mesma, né? E que a justiça seja feita”.

O professor não conversou com o portal sobre a denúncia, mas negou as acusações em depoimento para a polícia. A Secretaria Estadual de Educação ainda fez um pronunciamento oficial sobre o ocorrido, alegando que “todos os lados serão ouvidos e tão logo sejam concluídas as apurações, as providências administrativas serão tomadas”, e que será prestado um serviço de atendimento psicológico às alunas afetadas pelo caso.