Pai de jovens envenenados por madrasta fala sobre como filho se sentiu após ingerir comida

Adeilson Cabral, pai de Fernanda e Bruno ambos envenenados pela madrasta, contou como o filho se sentiu após ingerir o alimento, os sintomas e como ele se sente diante do crime

Resumo da Notícia

  • Adeilson Cabral é pai de Fernanda e Bruno, ambos envenenados pela madrasta
  • Ele contou como o filho se sentiu após ingerir o alimento, e como ele se sente diante do crime
  • Ao presenciar a reação do rapaz, o homem se lembrou de imediato dos últimos momentos de sua filha

Adeilson Cabral, pai de Fernanda e Bruno, ambos envenenados pela madrasta, contou em entrevista ao Fantástico, no último domingo, como o filho se sentiu após ingerir o alimento, e como ele se sente diante do crime. Ao presenciar a reação do rapaz, o homem se lembrou de imediato dos últimos momentos de sua filha, Fernanda Dias Cabral, de 22 anos, que morreu subitamente há dois meses.

-Publicidade-

“Os sintomas eram iguais: a tonteira, ele molhado de suor e, logo depois, já não conseguia mais falar. Pediu água com a língua enrolando e dali foi que eu me alertei. Já estava entendendo o que tinha acontecido com a Fernanda”, disse Adeilson em entrevista ao Fantástico, da TV Globo.

O pai se sentiu culpado por ter se relacionado com Cíntia
O pai se sentiu culpado por ter se relacionado com Cíntia (Foto: Reprodução/Metrópoles)

Adeilson mencionou a indignação por constatar que sua esposa havia articulado a morte de Fernanda e a tentativa de assassinato de seu filho Bruno.“Quero que ela pague, porque ela tirou dois sonhos. De um pai e de uma filha… Tinha o sonho de uma filha viver com o pai trabalhando, isso não tem preço. A minha vida daqui para frente é o meu trabalho com os livros. Em cada feira que eu for fazer, pelo menos ela vai estar do meu lado; assistindo. Ela me chamava de Homem de Ferro, porque eu sempre carreguei muito peso. Livro é pesado. Ela me chamava de Homem de Ferro no trabalho, e eu vou ser. É a única coisa que eu posso fazer”, acrescentou o pai.

Ao jornal O Globo, Adeilson havia desabafado sobre se sentir culpado por ter se relacionado com Cíntia. “As pessoas podem pensar que eu tenho algum envolvimento no envenenamento dos meus filhos, mas não tenho. A Cíntia Mariano, minha esposa e acusada de envenená-los, não demonstrava que faria isso. Fico com um sentimento de revolta e culpa por me envolver com um monstro”, contou o pai.