Pai de Klara Castanho demonstra apoio à filha após carta aberta: “Com você até o fim”

Claudio Castanho compartilhou uma foto junto da filha, Klara Castanho, e do filho, Lucas Castanho, nas redes sociais e se declarou. A homenagem foi feita após a atriz contar que engravidou após sofrer violência sexual

Resumo da Notícia

  • Klara Castanho compartilhou um carta aberta em que contou ter engravidado após ser estuprada
  • O pai da atriz, Claudio Castanho, compartilhou uma publicação em apoio à filha
  • Junto de uma foto com os dois filhos, ele escreveu: "Estarei com vocês até o fim da minha vida"

Neste sábado, 25 de junho, Klara Castanho compartilhou uma carta aberta no Instagram em que revelou ter engravidado após um estupro. Em um longo desabafo, a atriz contou que deu à luz a criança e optou por entregar para adoção.

-Publicidade-
Claudio Castanho, pai de Klara Castanho, se declarou para filha após relato de estupro
Claudio Castanho, pai de Klara Castanho, se declarou para filha após relato de estupro (Foto: reprodução/Instagram/@klarafgcastanho)

Na sequência, Claudio Castanho, o pai de Klara, publicou no próprio story uma mensagem de apoio à filha. Junto de uma foto antiga em que ele aparece com Klara e o outro filho, Lucas Castanho, escreveu: “Estarei com vocês até o fim da minha vida”.

Nas redes sociais, o pai de Klara Castanho mandou um recado para os filhos
Nas redes sociais, o pai de Klara Castanho mandou um recado para os filhos (Foto: reprodução/Instagram)

Sobre o caso

Klara se pronunciou nas redes sociais, após o comentário de Antonia Fontenelle durante uma live. Antonia, sem citar nome, comentou que uma atriz de 21 anos da Globo havia engravidado e escondido a gravidez. Ela ainda comentou que quando o bebê nasceu, essa atriz “nem quis vê-lo”.

Os seguidores, a partir do relato, levantaram a possibilidade dela estar falando de Klara Castanho. Foi então que a atriz compartilhou no Instagram uma carta aberta em que dá a própria versão da história e conta as diversas violências que sofreu e motivos da decisão.

Em um trecho da carta, Klara disse: “Minha história se tornar pública não foi um desejo meu, mas espero que, ao menos, tudo o que me aconteceu sirva para que mulheres e meninas não se sintam culpadas ou envergonhadas pelas violências que elas sofrem”.