Pai é condenado a pagar indenização quase milionária por abandonar o filho

O juiz decidiu que a função dele é muito importante para o desenvolvimento do menino

O papel do pai é muito importante (Foto: iStock)

Um homem vai ter que pagar 5o mil reais de indenização ao filho adolescente. Ele foi processado e condenado por abandono afetivo pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

-Publicidade-

Segundo informações do próprio (TJMG), cedidas ao portal EM.com, o garoto é fruto de uma relação fora do casamento. O adolescente era constantemente ignorado pelo pai, que só começou a pagar a pensão depois de um longo e difícil processo judicial.

A mãe do menino foi peça fundamental na vida dele. Além de ter que cumprir o papel de pai e mãe, foi ela quem precisou representar a vontade do filho na Justiça. Por ser menor de idade, ele precisava de alguém que pudesse ajuizar o pedido.

-Publicidade-
O menino é “um problema” para o pai (Foto: Getty Images)

A dor do filho 

Por mais que dinheiro nenhum possa suprir, de fato, a ausência de um pai, a família pediu uma indenização de 50 salários mínimos. O pedido deles foi negado em primeira instância, mas eles recorreram e conseguiram o valor desejado.

Ainda segundo as informações do TJMG, o menino disse no processo que o pai o ignorava por não querer problemas com a família dele. O adolescente afirmou que convive com “sentimento de rejeição, tristeza e abandono”.

A sentença 

O desembargador Evandro Lopes da Costa Teixeira, da 17ª Câmara Cível, afirmou que o menino, tem sim alguns danos, “ainda que no plano emocional”. E terminou a sentença dizendo que a função do pai não é apenas financeira.

“É preciso que um pai saiba que não basta pagar prestação alimentícia para dar como quitada a sua ‘obrigação’. Seu dever de pai vai além disso e o descumprimento desse dever causa dano que pode ser moral e deve ser reparado, por meio da indenização respectiva”.

Leia também: 

Pai, seu papel é muito importante no desenvolvimento de seus filhos!

Mateus Verdelho fala sobre papel do pai e manda a real: “Não é ajuda, é obrigação”

O primeiro contato do pai com o recém-nascido pode mudar para sempre a relação entre os dois 

-Publicidade-