Pai negro conta porque só se sente seguro na companhia da filha e do cachorro

Shola Richards usou as redes sociais para relatar um pouco da realidade e alertar outras pessoas a respeito do racismo que enfrenta diariamente

Resumo da Notícia

  • Homem preto usa as redes sociais para desabafar sobre racismo
  • Ele conta que precisa caminhar com as filhas e o cachorro para se sentir em segurança
  • O palestrante também criou uma lista de "pontos do senso comum"
  • Veja lista e história completa
Pai negro conta porquê precisa caminhar com a filha para se sentir seguro (Foto: reprodução Parents)

Shola Richards é um autor, ativista, palestrante e pai que, como a maioria dos pais, ama passear com os filhos e cachorro. Levar as filhas para passear, no entanto,  não é uma escolha para Richards, mas sim, uma necessidade. Em uma publicação que viralizou no Facebook, o pai de  Kaya, 11, e Nia, 8, explica que ser um homem negro nos Estados Unidos se traduz em um sentimento: “morrer de medo” de andar sozinho no bairro em que mora em Los Angeles.

-Publicidade-

“Duas vezes por dia, eu ando com meu cachorro Ace pelo meu bairro com uma ou ambas as meninas. Sei que isso não parece digno de nota, mas há algo que devo admitir: ficaria morrendo de medo de dar esses passeios sem minhas meninas e meu cachorro. De fato, nos quatro anos que moro em minha casa, nunca dei um passeio sozinho no meu bairro (e provavelmente nunca o farei)”, escreveu ele no Facebook.

“Claro, alguns de vocês podem ler isso e pensar que estou sendo melodramático, mas essa é a minha realidade. Quando estou andando pela rua segurando a mão da minha filha e passeando com meu cachorro fofo, sou apenas um pai amoroso e dono de um animal de estimação, dando um tempo na alegria da crise da educação escolar em casa. ”, continuou.

-Publicidade-

Richards explicou que, sem a filha ao seu lado, sua presença poderia ser vista como ameaçadora. “Quase instantaneamente, me transformei em uma ameaça aos olhos de alguns brancos”, escreveu ele. “Em vez de ser um pai amoroso para duas garotinhas, infelizmente, tudo o que algumas pessoas podem ver é um homem negro, atlético, com uma máscara de pano que está andando em um lugar ao qual não pertence (ainda sou o mesmo cara que só quer dar um passeio pelo bairro). É igualmente cansativo e deprimente sentir que não posso andar sozinho por medo de ser alvo”.

O ativista e palestrante reiterou que, caso alguém tenha ficado surpreso com a declaração, não deveria ficar. “Vivemos em um mundo onde há uma quantidade considerável de pessoas que realmente acreditam que o racismo não é uma coisa e que o privilégio branco é uma fantasia inventada para ser politicamente correto”, escreveu Richards. “Sim, apesar de George Floyd, Christian Cooper, Ahmaud Arbery e Breonna Taylor (e inúmeros outros exemplos antes deles, e muitos que virão depois), algumas pessoas ainda não entendem”.

Dito isto, ele passou a oferecer “alguns pontos de senso comum”:

1. Entenda o privilégio branco

“Ter privilégio de branco não significa que sua vida não é difícil, simplesmente significa que a cor da sua pele não é uma das coisas que contribuem para as dificuldades da sua vida. Como o caso em questão, se nunca passou pela sua cabeça que você poderia ser enquadrado (ou pior, possivelmente morto) por simplesmente observar pássaros, saiba que é um privilégio que muitas pessoas negras / pardas  não podem desfrutar”.

2. Não diga “todas as vidas são importam”

“Responder a ‘Black Lives Matter’ (vidas negras importam) dizendo ‘All Lives Matter’ (todas as vidas importam) é insensível, surdo e tonto. Todas as vidas não importam até que as negras importem”.

Mais tarde, o autor elaborou seu segundo ponto sobre “All Lives Matter” nos comentários, escrevendo: “Se eu quebrei meu tornozelo jogando basquete e fui ao médico e recebi como resposta: ‘TODOS OS OSSOS SÃO IMPORTANTES, vá para casa’ isso seria bastante desdenhoso (se não, imperícia total), certo? Sim, minhas costelas, meu pulso e meu crânio são importantes – isso é óbvio. Mas agora? É o meu tornozelo dolorido que está quebrado e precisa de atenção imediata. Este não é o momento de trazer à tona nenhum outro osso, porque, neste momento, apenas um osso está em crise. Sei que algumas pessoas aprendem conceitos mais facilmente através de metáforas, e isso é o melhor que posso fazer no momento. ”

3. O racismo está em toda parte.

“O racismo é muito real e, por favor, não se iluda pensando que se limita a certo lugar ou a certas pessoas”, escreveu ele. “Como Amy Cooper provou, é tão predominante na América liberal quanto em qualquer outro lugar”.

4. O racismo reverso não é real.
“Enquanto o racismo é real, o racismo reverso não é”, explicou Richards. “Por favor, nunca use esse termo.”

5. Se você é branco, seja um aliado.

“Para que o racismo melhore, os aliados brancos são absolutamente necessários. Se você é branco e leu até aqui, espero que se preocupe o suficiente para ser um desses aliados. Por favor, continue a falar (apesar de alguns de seus amigos e familiares ter revirado os olhos para você), porque suas vozes são importantes para a população negra, agora mais do que nunca.”

6. E não fique em silêncio.

Richards disse: “E se você é branco e ainda escolhe ficar em silêncio sobre isso, sinceramente não sei o que dizer. Se essas atrocidades não fazem com que você fale, honestamente, vale a pena perguntar, por que você escolheria me seguir? Se você não estiver disposto a tomar uma posição contra ações que possam me machucar ou matar, é difícil acreditar que você já se importou comigo (ou com minha missão criar um mundo mais gentil) em primeiro lugar”.

“Quanto a mim, continuarei andando pelas ruas segurando a mão da minha filha de 8 anos, na esperança de que ela continue a manter o pai protegido dos danos. Eu sei que isso soa ao contrário, mas esse é o mundo em que estamos vivendo atualmente. #BlackLivesMatter ”, concluiu.

Desde que Richards publicou seu post comovente no final da semana passada, ele recebeu mais de 2 mil comentários e 39 mil compartilhamentos. Depois que se tornou viral, ele se inspirou a escrever um post de acompanhamento no LinkedIn, intitulado “Suas perguntas difíceis sobre a raça na América, respondidas”. Ao compartilhar que ele “ficou impressionado com as respostas incrivelmente gentis e emocionantes” ao seu post no Facebook, ele respondeu a perguntas frequentes como: “Não vejo cor nas pessoas e me considero daltônico. O que há de errado com isso? E “Se você está com tanto medo de viver em seu bairro horrível, por que não se muda?”.

O pai de dois filhos diz à Parents que ele espera que suas postagens inspirem ação. “Agora não é hora de ficar de fora”, diz Richards. “Não ser racista não é bom o suficiente. Para mudar o mundo, é necessário que as pessoas boas se oponham ativamente ao racismo quando o veem e ensinem seus filhos a fazer o mesmo. Acredito que se mais pessoas fizerem isso, podemos curar este mundo juntos”.

Novo aplicativo Pais&Filhos Interativo: teste seus conhecimentos, acumule pontos para trocar por prêmios e leia conteúdos exclusivos! Para baixar, CLIQUE AQUI.

-Publicidade-