Pais acham filho sequestrado após 16 anos de procura: “Sentimento que não se explica”

Os pais estavam a procura do filho sequestrado desde 2005 e nunca desistiram de achar ele. Com uma denúncia anônima e uma projeção animada do rosto do garoto, foi possível encontrá-lo. O garoto está com os pais biológicos desde a última quinta-feira, 24 de fevereiro

Resumo da Notícia

  • Garoto é reencontrado após 16 anos
  • Ele foi sequestrado quando era recém-nascido na maternidade
  • Os pais nunca pararam a busca por ele
  • Agora o menino voltou para família biológica

A família Lopéz nunca desistiu de procurar o filho sequestrado e para surpresa de quem acompanhou o caso, o garoto foi encontrado. O menino nasceu em 13 de dezembro de 2005, por volta das 16h48, Clínica do IMSS, Hospital de Ayala Guadalajara. Logo após o parto, uma mulher apareceu alegando que era assistente pediátrica e levou o bebê recém-nascido com menos de 24 horas de vida. Rosália López Martínez, a mãe do garoto, falou que sempre apresentaram a mulher que levou o bebê como parte da equipe médica do hospital, então não ficou desconfiada em nenhum momento.

-Publicidade-

A “enfermeira” disse para Rosália que ia levar o garoto para fazer estudos, mas na verdade era um sequestro. Na época do acontecimento foi feita uma denúncia no Ministério Público, mas a investigação ao longo do tempo foi perdida, não tendo continuidade no caso. Somente os pais continuaram na procura do filho, usando vários meios para achar ele. Foram compartilhadas as poucas informações nas redes sociais, incluindo a única foto que eles tinham do menino.

O caso ganhou repercussão em noticiários
O caso ganhou repercussão em noticiários (Foto: Arquivo pessoal / reprodução: Razões para acreditar)

Em 2021, a Senhora Martínez entrou em contato com um especialista particular para fazer uma projeção animada do possível rosto do filho na adolescência. Depois de receber a imagem, Yassef, o pai do garoto, começou a espalhar a projeção entre as pessoas e pediu ajuda para que elas também divulgassem essa imagem.

No meio da situação, Yassef recebeu uma denúncia anônima com diversas fotos do possível filho e de onde ele poderia estar. A partir dessas informações, a Comissão de Busca da Polícia Zapopan foi acionada e seguiu para o município de El Salto. O agente do Ministério Público pediu a apresentação do possível filho, junto com um teste de DNA. A partir desse exame, foi comprovado 99,9% de compatibilidade entre a Senhora Martínez, Yassef e o garoto.

Luis Joaquín Méndez Ruiz, o procurador do Estado que está acompanhando o episódio, falou que o garoto está com os pais biológicos e com os dois irmãos mais novos. Ele contou sobre como o processo aconteceu “Foram realizados atos investigativos no município de El Salto e, de fato, conseguimos localizar um adolescente com as características e filiação média fornecidas pelo denunciante”.

Quem acompanhou também com essa história foi Angélica López, tia do menino. “Meu irmão ficou muito mal a partir daí e foi aí que começou toda a tragédia de começar naquela época, gastamos tudo que tínhamos financeiramente para essa tremenda despesa ao longo dos anos. Foi dor pura, ele nunca mais dormiu do mesmo jeito, duas vezes eu levei meu irmão ao hospital de Ayala, porque ele tinha um coração ruim e o médico lhe disse ‘você é muito jovem para seu coração doer’ ” disse a mulher.

“Quando cheguei ao hospital as portas estavam fechadas e depois pude entrar e confirmaram a terrível notícia, que o bebê havia sido levado por um assistente de pediatria, talvez um residente, talvez interno, que o levaram para o berçário para alimentá-lo, mas não devolveram a criança.” disse a tia do menino, que de primeiro momento, acreditava ser uma brincadeira.

Depois do reencontro, Rosália em conversa com MILENIO falou sobre o apoio recebido para achar o filho. “Estamos todos muito felizes, é algo que não se explica com palavras”. A mulher também falou que a família vai se mudar de Guadalajara pelo menos por agora. Outra investigação que começou foi em relação a família com quem o garoto morou a vida inteira. Como eles conseguiram o menino e a documentação necessária dele são perguntas que estão sendo colocadas em pauta.

Até o momento, não há noticias da enfermeira que sequestrou o garoto após o nascimento. Depois deste caso, os hospitais públicos contrataram uma segurança privada, para que não aconteça o mesmo ocorrido de 2005.