Pais são condenados na Suécia após manter os filhos presos dentro dos quartos durante pandemia

Eles alegaram estar com muito medo do novo vírus, por isso, decidiram trancar os três em cômodos separados. As crianças estão sob tutela dos serviços sociais

Resumo da Notícia

  • Pais são condenados na Suécia após manter os filhos presos dentro dos quartos durante pandemia
  • Eles falaram que tomaram a decisão por que estavam com medo do vírus
  • O advogado alegou, ainda, que os pais não entendiam muito a língua local e haviam decidido seguir as orientações do país natal, Vietnã
  • As crianças seguem sob tutela dos serviços sociais

Por medo da pandemia de coronavírus, um casal da Suécia obrigou os filhos, de 17, 15 e 10 anos, ficarem isolados e trancados, cada um no seu quarto, durante quatro meses. Para segurar as crianças dentro dos quartos, os dois chegaram a pregar tábuas de madeira na porta, impossibilitando a saída deles. Após descobrir o que estava acontecendo, o tribunal civil da Suécia decidiu analisar o caso.

-Publicidade-
Pais são condenados na Suécia após manter os filhos presos dentro dos quartos durante pandemia (Foto: Getty Images)

Na última semana, o tribunal decidiu colocar as crianças sob cuidados do serviço social, alegando que a “má saúde psicológica e o medo pela Covid-19 dos pais levaram a falhas graves no cuidado de seus filhos. As crianças não podiam nem ter contato pessoalmente com outros membros da família e eram obrigados a fazer as refeições dentro de seus quartos”.

Segundo o documento divulgado pelo tribunal, os pais, ambos vietnamitas, tiraram os filhos da escola assim que os primeiros casos surgiram na Suécia, em março. Desde então, o casal estaria mantendo as crianças trancadas nos quartos do apartamento, onde ficaram até o dia 9 de julho, quando as autoridades foram até o local depois de receber algumas denúncias. Enquanto estavam trancados, os adolescentes e a criança continuaram estudando online e tendo contato com os familiares e amigos, também por meio do computador.

-Publicidade-

“Eles não compreendem sueco muito bem e preferiram confiar nos noticiários de seu país de origem. Lá, eles fecharam cidades inteiras. Eles ficaram com medo e tomaram atitudes que consideraram necessárias para ‘proteger a família’. Todas as crianças tinham acesso ilimitado a Ipads e a celulares. Eles mantiveram contato com os colegas de escola e professores”, explicou o advogado do casal, Mikael Svegfors, em entrevista ao The Telegraph.

No tribunal, os pais chegaram a falar que não mantiveram as crianças presas no quarto e que elas poderiam sair a qualquer momento. Os três, no entanto, desmentiram a afirmação.  “Apesar de tudo, é possível perceber que os pais ainda têm uma atitude ambivalente em permitir que as crianças saiam de casa para ir, por exemplo, à escola”, diz a sentença.

Atualmente, as crianças seguem sob tutela dos serviços sociais e voltaram às aulas presenciais. Elas têm permissão para ver os pais sempre que quiserem e um novo julgamentoo será realizado para decidir se as crianças devem voltar a morar com o casal em seis meses. “Eles querem estar com seus pais”, contou o advogado. “Mas disseram, ‘precisamos nos concentrar na escola e queremos brincar com nossos amigos. Assim que esta pandemia acabar, queremos voltar para nossa família’”.

-Publicidade-