Pamella Holanda, ex de DJ Ivis, lembra agressão aos 5 meses de gravidez: “Me pegou pelo pescoço”

Ela conversou sobre o assunto em uma entrevista dada ao Léo Dias

Resumo da Notícia

  • Pamella Holanda, ex de DJ Ivis, lembra agressão aos 5 meses de gravidez
  • Ela conversou sobre o assunto em uma entrevista dada ao Léo Dias
  • Na entrevista, ela contou mais sobre o relacionamento dos dois

Pamella Holanda falou sobre as agressões do marido DJ Ivis em entrevista ao Leo Dias. No vídeo, o jornalista começa contando que Pamella procurou a polícia para denunciar o ex-marido em julho depois de sucessivas agressões. Ele comentou que o músico chegou a agredi-la com uma faca da última vez, na sexta-feira, dia 2 de julho.

-Publicidade-

Na entrevista, Pamella começou relembrando a história dos dois. Ela contou que alguns meses depois dos dois começarem a namorar, ela descobriu que estava grávida dele. Então, os dois decidiram começar a morar juntos, em janeiro de 2020. “Minha gravidez pegou muita gente de surpresa. A gente mal se assumiu como namorados, e um mês e pouco depois, eu apareci grávida”, relembrou ela.

Pamella Holanda, ex de DJ Ivis, lembra agressão aos 5 meses de gravidez: “Me pegou pelo pescoço” (Foto: reprodução YouTube)

Pamella também falou sobre a primeira agressão de Ivis contra ela. A influenciadora comentou que a primeira vez aconteceu quando ela ainda estava grávida. “A primeira vez que ele me agrediu foi quando eu estava grávida de 5 meses. Ele me pegou pelo pescoço, e veio me arrastando pelo corredor, no antigo apartamento que a gente morava, e me jogou até o sofá”, contou.

“Na cabeça dele era como se eu fosse um problema, um fardo”, disse ela sobre as agressões, que contou que não conseguia expressar as dores e desejos que tinha durante a gravidez. “Eu não tinha um suporte dele dentro de casa. Era como se eu tivesse enchendo a paciência dele”.

Ela seguiu contando sobre o temperamento do DJ. “Ele vivia sempre na linha tênue de explodir, sempre. Todo mundo do lado dele ficava pisando em ovos. Ele perdia a paciência muito fácil”, disse Pamella. Ela contou que muitas pessoas percebiam esse comportamento dele. Vizinhos, inclusive, falaram sobre isso depois que o caso veio à tona.

Pamella seguiu contando que as agressões iam muito além da questão física. “Fui agredida muitas vezes. Não era só fisicamente, era verbalmente, psicologicamente. Era um terror psicológico muito grande”, contou ela.

Pamella relembra agressões na quinta-feira, 1 de julho

Na entrevista, Pamella também relembrou o que aconteceu na quinta-feira, 1 de julho. “Eu tinha recebido conversas dele com outra mulher e não era a primeira vez. Eu lembro que estava indo buscar ele no aeroporto com minha filha e recebi as conversas no caminho”, contou ela, que disse que, dessa vez, não iria se calar sobre o assunto.

Apesar disso, ela decidiu que a melhor coisa no momento seria esperar. “Ele tinha acabado de chegar de viagem, estava cansado”, contou ela, acrescentando que o DJ passaria apenas um dia em casa e logo viajaria de novo. Depois dessa segunda viagem, então, ela decidiu falar com ele sobre o assunto.

“Ele chegou, minha mãe e uma nova babá estava na nossa casa. Ela tinha acabado de começar”, disse ela. “Ele chegou, almoçou e subiu. Nesse dia eu estava com bastante dor de cabeça, enxaqueca, estava bem enjoada porque eu estava fazendo alguns exames de sague e tudo mais. Então não estava bem. Decidi subir também, para dormir. Quando eu subi, ele estava na cama e eu deitei também”, relembrou.

Ela seguiu contando que, nesse dia, ele pediu ajuda para que ela passasse base na unha dele. “Eu falei ‘meu amor, daqui a pouco eu pinto, porque eu estou cansada, com enxaqueca. Eu vou cochilar uns 40 minutos daí eu pinto sua unha'”, contou. Ela disse, então, que tentou dormir mas estava muito inquieta com a situação da suposta traição e não conseguia descansar, logo resolveu falar com ele sobre o assunto. “No local de esposa dele, eu tenho total direito de cobrá-lo”, apontou ela.

Pamella, então, fez um pedido para o DJ repostasse as publicações de outras formas, para não abrir a possibilidade de um bate-papo com outras mulheres. “Eu falei com a maior calma do mundo. Eu estava pedindo, não impondo”, deixou claro.

“Isso era como um gatilho para ele, porque era recorrente. Aí ele já se exaltou, levantou. Então mostrei a ele meu celular e disse que enquanto ele estava viajando tinha recebido aquelas conversas. Aí na hora ele já veio para cima de mim, pegou meu celular, pedindo para eu provar. Eu fui mostrar o telefone e na hora que eu fui mostrar ele já tomou de mim. E eu fui tentar tomar dele. Foi na hora que ele jogou meu telefone e quebrou”, disse.

“Eu fui, peguei o telefone e fui ver se ainda tinha como usá-lo. Mas vi umas listras pretas e vi que não tinha jeito, já estava soltando a tela”, contou. Pamella, então, começou a chorar e falar que o DJ havia quebrado o celular. “Aí ele já veio pra cima de mim com soco, chute. Ele foi para o banheiro e eu fui atrás chorando e pedindo pra ele se conter, tentando abraçar ele”.

As tentativas, porém, foram em vão. “Ele tentou me estrangular no banheiro, me pressionando na pia com as duas mãos. Eu tentei sair e fui para o quarto, mas ele ‘deu atrás de mim’, nas minhas costas, e começou a me esmurrar várias vezes. Rasgou a blusa que eu estava e começou a me chutar. E na hora que eu tentei me defender foi a hora que pegou um soco ou uma cotovelada no meu olho. Na hora eu já fiquei sem enxergar”, contou ela.

Veja a entrevista completa abaixo: