Papai Noel existe, sim! Deixe o espírito natalino invadir sua casa

O Papai Noel é uma das figuras mais importantes da infância, e a gente vai te provar que o bom velhinho vive além da imaginação das crianças. É fundamental que essa crença se mantenha

Resumo da Notícia

  • O Natal está chegando e é hora de se preparar para ele
  • Deixe esse espírito entrar na sua casa e conquistar sua família
  • A imaginação e criatividade devem permanecer vivos

A vida sem imaginação não tem a menor graça. E ela começa logo cedo. Quando a criança não tem nem idade para entender o que está acontecendo, os pais já montam a árvore de Natal, compram presentes e preparam a ceia, que reúne toda a família. Toda vez que nasce um bebê, nasce também uma crença no bom e velho Papai Noel. Quem não lembra de ficar acordado até tarde, correr para ver os presentes embaixo da árvore na manhã de Natal, conferir se os biscoitos e o leite foram devidamente comidos e dormir muito cedo para não atrapalhar a chegada do bom velhinho? Tudo isso faz parte da construção cultural da maioria das famílias ao redor de todo o mundo.

-Publicidade-
Pode acreditar que ele vai além de uma lenda (Foto: reprodução)

Não é à toa que fazemos tudo isso. Essa tradição proporciona a troca de carinho, incentiva a generosidade e a alegria entre os pais, filhos, avós, netos, primos, tios e sobrinhos.  Todo mundo entra na brincadeira e colabora de alguma forma. Então é claro: o Papai Noel existe, sim! E tem que continuar existindo por muito tempo. Até os 7 anos de idade a criança entende o mundo por meio do imaginário e da fantasia. É dessa forma que ela cria o seu próprio mundo, a fim de desenvolver o intelecto e lidar melhor com as suas emoções.

Uma data que pode parecer apenas mais uma oportunidade comercial para que as famílias gastem com presentes, tem muito mais significado no desenvolvimento da criança do que se pode imaginar. É assim que o Natal dura tanto tempo. Além de ser uma tradição enraizada na nossa sociedade, ele é fundamental para o estímulo da imaginação da criança, ainda que ela saiba distinguir a fantasia da realidade. “Ainda na pré-escola, as crianças demonstram compreender as diferenças entre a realidade e a fantasia, não atribuindo características de uma esfera para a outra”, afirma a psicóloga Natália Benincasa Velludo, filha de Ivanilde e Luiz Antônio.

Por meio da fantasia, as crianças podem pensar de modo não intuitivo, podendo reinventar a realidade e, assim, elas conseguem focar em saídas menos óbvias para os problemas do cotidiano. Isso não só as ajuda a desenvolver a criatividade, mas também faz grande diferença na vida adulta.

Além do CEP

Caso você seja do tipo cético, a gente te dá mais razões para acreditar que o Papai Noel existe mesmo. Ele mora na Lapônia, que fica dentro da Finlândia. Quem viaja pra lá a fim de conhecer a terra do bom velhinho encontra o correio que recebe cartas de crianças de todo o mundo, o parque de diversões Santa Park e uma floresta com 50 renas. É incrível! Mas não foi ali que tudo começou.

A Turquia, que fica a 4.410km de distância da Finlândia, foi o lar de São Nicolau, que nasceu no século III. O arcebispo costumava ajudar anonimamente quem estivesse em dificuldades. Ele ficou conhecido como acolhedor dos pobres e, principalmente das crianças carentes. Ele é uma das figuras mais conhecidas do cristianismo e foi o primeiro santo da Igreja a se preocupar com a educação moral das crianças e de suas mães.

É verdade, entretanto, que nem todas elas recebem presentes no Natal, o que é totalmente injusto. Para explicar essa confusão, o jornalista Marcelo Duarte, pai de Rodrigo, Beatriz e Antonio, autor da série de livros Guia dos Curiosos, esteve cara a cara com o Papai Noel em 2003 e fez uma entrevista com ele publicada aqui na Pais&Filhos na época, onde abordou essa questão.

“Precisamos lembrar que o mais importante não é o presente, mas a intenção e os bons pensamentos que vão com ele. Mas é verdade que existem muitas crianças, cujas vidas não são do jeito que deveria ser. É um grande problema, que me deixa muito triste. É um desafio para toda a humanidade. Mas, como sempre digo: as crianças não devem jamais deixar a esperança de lado, nem desistir de seus sonhos”, respondeu o próprio Papai Noel.

Tá aí uma boa argumentação para quem não acredita no bom velhinho, vinda dele mesmo, a gente jura! O Noel é um protetor, que atende simbolicamente o desejo infantil de segurança. Além disso, saber que todos os anos ele voltará, ajuda a organizar a ideia de tempo na cabeça da criança, algo que ainda é muito abstrato. Arrumar a árvore, colocar os enfeites e, depois, desmontar, faz com que a sensação de que as coisas vêm e vão seja reforçada. Rituais em família, além de serem uma delícia, são importantes para o desenvolvimento infantil.

É o ano todo

Não são apenas as crianças que pensam nessa data durante todo o ano. Afinal, é preciso se comportar bem sempre para receber a visita do Papai Noel em dezembro, já que ele está vendo tudo e só gosta das crianças que foram boazinhas, não é mesmo? O momento é tão importante, que tem gente que se prepara para o Natal desde janeiro. Esse é o caso da Cecília Dale, mãe de Sylvia, Monica e Paola, decoradora e empresária. Ela comanda a rede de lojas que leva o seu próprio nome e a preparação é intensa. Tudo começa logo no início do ano, para que a produção dos enfeites seja feita até dezembro pela sua equipe de artesãos. Sim, todas as guirlandas, centros de mesa e festões são feitos à mão.

“Colocamos tudo nas lojas logo no final de outubro, para que as pessoas possam escolher com calma, e ir montando a decoração da árvore e da casa aos poucos. Porque o gostoso é transformar a montagem da árvore em uma atividade para curtir com toda a família”, conta Cecília. Para que este seja verdadeiramente um momento de reflexão e união familiar, não adianta comprar tudo pronto e arrumar sozinho. A participação das crianças é fundamental para deixar tudo com cara de Natal.

Assim como na ceia, a montagem da árvore pode ser um momento para a transmissão de valores e ensinamentos que vão perdurar por toda a vida. O envolvimento real dos pais é essencial nesse processo. Algum dia, o Papai Noel vai deixar de ser a figura principal do Natal e o que vai restar é o afeto e as lembranças de momentos de carinho e harmonia com toda a família. “É um momento de reflexão, de união familiar, de troca de afetos e carinhos, de estar juntos e isso também é muito importante para o desenvolvimento afetivo da criança”, explica Salete Arouca, mãe do Rodrigo, do Roberto e da Alessandra, psicóloga.

Conta não, vai…

Vamos encarar os fatos. Algum dia nossos filhos farão a famosa e temida pergunta: “Papai Noel existe mesmo?”. E aí, o que fazer numa hora dessas? Normalmente, essa questão costuma surgir por volta dos 7 anos, quando descobrem por conta própria, analisando evidências e fatos. Assim como não existe prejuízo em acreditar nessa fantasia, também não tem problema nenhum em descobrir que não é o Noel que deixa os presentes em casa. O ideal, é que a criança faça suas próprias associações.

O pensamento mágico faz parte do desenvolvimento normal e está presente nas brincadeiras das crianças. Estimulá-lo favorece a vivência de experiências ricas, importantes para o desenvolvimento”, afirma Daniela Teixeira Gonçalves, filha de Geraldo e Lusia, psicóloga clínica e Cássia Beatriz Ferreira dos Prazeres, mãe de Sophia, pedagoga e psicóloga. É por isso que Papai Noel, Fada do Dente e Coelho da Páscoa são tão importantes para as crianças.

E não é porque seu filho descobriu a verdade sobre um deles, que você precisa contar sobre os outros também. O bom velhinho e o coelhinho são figuras mais ligadas à tradição cristã, que proporcionam maiores momentos em família. Já a Fada do Dente, está ligada a uma fase de transição. Normalmente, a criança está entrando na escola e passa a ter mais responsabilidades, assim como a se identificar de outra forma, ou seja, a aparência dela também está em transição. Deu para entender qual a importância desses mitos e lendas na vida das crianças? Sendo assim, qual a dúvida que resta? Papai Noel existe, sim! E tem que continuar existindo por muitos e muitos anos.

Conheça mais sobre a história do Papai Noel (Foto: reprodução/ Getty Images)

Era uma vez…

A história do Papai Noel é bem antiga e existem várias lendas sobre ele. Uma delas, como mencionamos anteriormente, diz que o bom velhinho foi inspirado no bispo Nicolau, que colocava um saco com moedas de ouro na chaminé das casas para ajudar quem estava com dificuldades financeiras. Uma outra lenda é sobre os atos de caridade dele: no dia 6 de dezembro ele deixa para as crianças deliciosos presentes para ninguém passar mais fome. Com o tempo, Nicolau fez vários milagres, e foi declarado santo.

A Igreja Católica propôs fixar a data de entrega de presentes de São Nicolau no dia 25 de dezembro, para coincidir com o nascimento do Menino Jesus, e foi aí que tudo começou e é isso o que se celebra no Natal: o nascimento de Jesus! Por isso, Nicolau virou Noel, que significa Natal, só que em francês. A Alemanha foi o primeiro país a representar são Nicolau como símbolo de Natal. Com o passar dos anos, a ideia foi se espalhando por todo o mundo.

No século 19, o escritor Clement Moore escreveu um conto sobre um velhinho bonzinho chamado São Nicolau que morava no polo Norte e, com seu trenó, distribuía presentes para as crianças que se comportaram bem durante o ano todo. A história era tão legal que se popularizou e correu o mundo. A imagem que temos do Papai Noel até hoje apareceu em 1862, e foi obra do cartunista norte-americano Thomas Nast, que desenhou São Nicolau como um senhor velho e baixinho.

Em 1866, ele decidiu pintar a roupa do velhinho de vermelho. As barbas e a expressão de bonzinho foram acrescentadas depois, em um comercial da Coca-Cola que foi ao ar pela primeira vez em 1931. O bispo São Nicolau viveu na Groenlândia, de onde vem a lenda que diz que o Papai Noel mora entre as geleiras de lá. Independentemente de como chegamos hoje ao que conhecemos desse personagem, o fato é que ele é fundamental para o imaginário e comemoração dessa data. Por isso, quando estiver com a família reunida em 25 de dezembro, há um pedido a fazer: que a magia do Natal nunca se apague.

Curiosidades natalinas

Mamãe Noel: a velhinha, esposa de Noel, não surgiu de folclore ou mitologia. Ela nasceu da imaginação de autores americanos que queriam dar uma companheira ao bom velhinho para a eternidade.

Endereço do Papai Noel: ARCTIC CIRCLE, SF 96930, ROVANIEMI. A cidade é a capital da Lapônia finlandesa, no Círculo Polar Ártico.

Escola de Papai Noel: para ser um Papai Noel dos bons, é preciso se preparar: a Escola de Papai Noel do Brasil existe há mais de 20 anos e está localizada no Rio. A instituição já formou cerca de 500 bons velhinhos!

Reis Magos: Melchior, Baltazar e Gaspar foram os primeiros a visitar o Menino Jesus, e ofereceram presentes para ele: mirra, incenso e ouro. Conta a lenda que eles partiram para Belém à procura do menino que nasceu em 25 de dezembro. O caminho até lá foi indicado por uma estrela, a Estrela de Belém, e como estavam distantes do lugar, só chegaram no dia 6 de janeiro.

Montagem da árvore: segundo a tradição, a árvore deve começar a ser montada no dia 30 de novembro, que é quando se inicia o tempo do advento para a Igreja.

Deixe esse espírito invadir sua casa (Foto: Getty Images)

Sinos: as badaladas dos sinos durante o Natal representam a mensagem “nasceu Jesus!”. Também tem gente que acredita que o som pode afastar coisas ruins e trazer sorte.

Coroa do advento: formada com ramos e em formato de círculo, a coroa simboliza a unidade e a perfeição, sem começo e sem fim. Em cada um dos quatro domingos do advento uma vela é acesa. Por isso o Natal também é celebrado como festa da luz. O advento é o período de quatro semanas que antecede o Natal, inventado para trazer renovação, fé e esperança.

Luzinhas: como no Natal também se comemora a festa das luzes, criamos o clima de festa com as luzinhas. Em alguns países, como aqui no Brasil, são promovidas competições para ver qual lugar teve a decoração mais bonita e o campeão ainda leva prêmio!

Papai Noel em outras línguas: Santa Claus • em inglês; Weihnachtmann • em alemão; Père Noël • em francês; Papa Noel • em espanhol; Babbo Natale • em italiano.

Guirlanda: presas na porta de entrada da casa, para indicar a presença de Jesus no lar. Dá para comprar, mas o resultado é mais autêntico se criar a sua, e pode pedir ajuda das crianças!

“Noite Feliz”: é a canção mais popular de Natal. A versão em português foi feita por um religioso: o Frei Pedro Sinzig, nascido na Áustria em 1876, mas que veio morar em Salvador, na Bahia, em 1893.

Meia de natal: uma das lendas diz que um velhinho tinha três filhas e nenhum dinheiro para criá-las. São Nicolau resolveu colocar um saco de ouro em cada uma das três meias que estavam fora da casa, penduradas para secar. Daí a tradição de enchê-las na noite de Natal, de pequenos presentes, como balas e brinquedos. Hoje, a maioria das crianças coloca na meia os pedidos para o Papai Noel

Amigo secreto: dizem que a ideia foi inspirada nas fábricas americanas, porque os operários eram obrigados a participar de confraternizações de fim de ano. Como alguns funcionários não se davam bem com a equipe, acabavam sem presente. Para ninguém ficar de fora, os patrões criaram a brincadeira para todo mundo participar.

Ceia: a ceia de Natal não é a mesma ao redor do mundo. Na França, prevalecem os patês e os frutos do mar. Em Portugal, o prato principal é o bacalhau. Os italianos servem peru como é costume no Brasil, mas o cardápio também conta com pratos exóticos. Na Espanha, é tradição preparar a rosca dos Reis Magos, que esconde um brinquedo no interior da massa.

Chaminé: como no Brasil faz muito calor, por aqui ele quase nunca entra pela chaminé. Vem pelo elevador, pula a parede, entra pela janela, mas em todos os casos ele diz o “ho-ho-ho, o Papai Noel chegou”, um clássico!

Cartinha: dizem por aí que só criança que se comportou bem o ano todo ganha presente. Para provar que não fez nada errado, ela envia cartinhas se desculpando ou mostrando por que merece que seu pedido seja atendido.

Cartões: o artista inglês John Callcott Horsley é considerado o criador do primeiro cartão de  Natal. A novidade surgiu em 1843, graças a uma encomenda de um homem que estava atolado de trabalho e não ia ter tempo de escrever mensagens para todos os seus amigos até o dia 25 de dezembro.

Presépio: serve para lembrar da simplicidade que precisou ser enfrentada por Maria e José no nascimento de Jesus. A tradição conta que o presépio deve ser montado quatro semanas antes do Natal. O cenário é montado primeiro. E a cada dia é preciso colar uma estrela para que, até o dia 25, o resultado seja um cenário estrelado. Os outros personagens devem ser colocados aos poucos. Só na virada do dia 24 para o dia 25, é que pode colocar a imagem do Menino Jesus na manjedoura.

Desmontar: o dia de desmontar a árvore, o presépio e o resto da decoração também é no dia 6 de janeiro, conhecido como o Dia de Reis, que foi escolhido para finalizar as comemorações natalinas, já que o ciclo foi encerrado neste dia.

Pelo mundo: a festa no México é divertida e a graça para as crianças são as “piñatas”, que são figuras feitas de barro em forma de estrela e enfeitadas de papéis coloridos. Ela é recheada de doces. As crianças, uma de cada vez, batem na estrela até que o barro se quebre e as balas caiam no chão. Divertido!

Lá na Irlanda , no dia 24 de dezembro, as famílias arrumam a mesa, que é decorada com balas chamadas “Christmas Crackers”. No dia 25, uma pessoa fica em cada ponta e puxa a bala até ela estourar. Dentro tem uma coroa e um brinquedo e quem ficar com a parte da surpresa ganha.