Pediatra brasileira faz relato após receber vacina contra covid-19: “Vou contar para os filhos, netos”

Depois de participar do teste, a médica contou como foi a experiência e disse que se considera privilegiada por participar desse “momento histórico”

Resumo da Notícia

  • 9 mil profissionais da saúde irão participar do teste da nova vacina contra coronavírus
  • Os voluntários já começaram a se inscrever
  • Alguns profissionais já receberam a vacina
  • Uma pediatra que participou do teste conta como foi

As inscrições para o corpo de voluntários dos testes da vacina da Universidade de Oxford para a Covid-19 no Brasil abriram recentemente e diversos médicos já correram para se inscrever. Depois de participar do teste e receber a vacina, uma pediatra de 34 anos contou ao G1 como foi a experiência e disse que se considera privilegiada por participar desse “momento histórico”.

-Publicidade-
9 mil profissionais da saúde irão participar do teste da nova vacina contra coronavírus (Foto: Getty Images)

“Eu fico contente, fico feliz, porque é uma coisa histórica que vai ficar aí para sempre, que vai ser contado para os filhos, para os netos, enfim, eu acho que é um privilégio poder participar. Estou bem contente de poder participar, de trabalhar na linha de frente, de poder contar minha história mais para frente. Eu fico feliz. Eu acho que é uma experiência muito boa”, começou contanto.

De acordo com o portal, a médica, que está esperando o posicionamento da Unifesp sobre sigilo ou não de voluntários para poder se identificar, disse que está confiante, uma vez que colegas que também passaram pelo teste não apresentaram efeitos muitos colaterais. Ela contou que está tranquila com o teste, por confiar na Unifesp e em Oxford. “Eu estou tranquila, alguns colegas meus já tomaram, também desse hospital que eu trabalho. Um teve um pouquinho de reação, febre, dor no corpo, mas é esperado em qualquer vacina e e os outros dois não sentiram nada, então, eu estou, na verdade, esperançosa.”, afirmou.

-Publicidade-

Apesar da esperança, ela falou que acredita que a vacina ainda vai demorar um pouco para chegar. “Talvez essa vacina que vai ser lançada ainda precise de um pouco de ajuste, muitas coisas vão ser descobertas, mas eu estou esperançosa, eu acho que é um pontapé inicial e é isso. Eu acho que a esperança nesse momento é a vacina, não vai ter nenhuma medicação milagrosa. Eu acho que o que vem pela frente de bom vai ser a vacina, mas eu não acredito que isso seja em menos de um ano”, contou.

-Publicidade-