“Perdi meu filho por mil reais”, diz mãe de vítima de roubo e latrocínio em São Paulo

Victor dos Santos de Jesus, jovem de apenas 15 anos, foi vítima de roubo e latrocínio no bairro Capão Redondo, em São Paulo. Os assaltante tentaram roubar o celular do rapaz

Resumo da Notícia

  • Assaltantes mataram a tiros um jovem de 15 anos após tentarem roubar um celular avaliado em cerca de um mil reais
  • O caso aconteceu no bairro Capão Redondo, localizado na Zona Sul da cidade de São Paulo
  • A Danielle, mãe da vítima, contou à BBC News Brasil sobre o fatal acontecimento

Segundo reportagem da BBC News Brasil, um garoto foi morto após sofrer uma tentativa de roubo de um celular de R$ 1.124. A vítima, Victor dos Santos de Jesus, de 15 anos, morreu a tiros no Capão Redondo, bairro localizado na Zona Sul da cidade de São Paulo. Ainda de acordo com o portal jornalístico, imagens retiradas de câmeras de seguranças mostraram o momento do ataque ao menino, que tinha ido buscar a avó em um ponto de ônibus.

-Publicidade-

Em entrevista concedida ao jornal, a Danielle Maria de Jesus, de 33 anos, mãe de Victor, falou um pouco mais sobre o fatal acontecimento. “Não chegaram a levar o celular dele. Pelo que a gente entendeu das imagens de câmeras, ele não quis entregar o celular, entrou em luta corporal com um dos assaltantes e tentou correr. Quando ele correu, foi quando atiraram nele. O medo dele era de que alguma coisa pudesse acontecer com a minha mãe, mas aconteceu com ele”, explicou.

Na sequência, ela também disse: “Minha mãe chegou em casa sozinha e perguntou onde estava o Victor, que não estava no ponto. O Vinicius falou que tinha saído para buscá-lo, mas chegou no ponto e não viu o irmão. Como era tarde, ele passou pelo corpo do irmão sem perceber. Só viu na volta, quando viu o corpo já sangrando pela boca. Só deu tempo de gritar por ajuda na rua”.

Os assaltantes tentaram roubar um celular
Os assaltantes tentaram roubar um celular (Foto: Reprodução / BBC News / Arquivo pessoal)

Danielle contou que o filho era muito estudioso e fanático pelo Corinthians, time de futebol de São Paulo: “Ele gostava muito de jogar futebol e videogame. Não dava trabalho. Sempre foi muito educado, conversava com todo mundo, tinha habilidade para conversar com as pessoas e, assim como o irmão dele, era muito sociável. Eu perdi meu filho por mil reais”.

Por fim, Danielle afirmou que fica preocupada com a família após a morte do filho. Além de externalizar a vontade de mudar-se do bairro devido ao aumento de criminalidade pela região. “Sempre foi a minha meta tirar eles de lá. Mas eu não conseguiria tirar só os meninos por conta da minha mãe, que não pode ficar sozinha. Não dá mais. Aquele ponto sempre foi muito visado, muito exposto. Os horários lá são muito marcados, então é sempre o mesmo horário que as pessoas chegam do trabalho, além de ter uma rota de fuga muito fácil”, finalizou.