Pesquisadores brasileiros descobrem molécula que pode ajudar no combate ao câncer

Molécula presente em um complexo de cobre possui propriedades de ação contra células do câncer

Resumo da Notícia

  • Cientistas brasileiros identificaram uma molécula capaz de ajudar no tratamento contra o câncer;
  • A descoberta foi feita por pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), no Triângulo Mineiro;
  • A pesquisa pretende desenvolver tratamentos menos invasivos para o nosso organismo.

Viva a ciência brasileira! Pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) identificaram uma molécula inédita que poderá contribuir no tratamento contra o câncer. Os estudos tem como objetivo encontrar tratamentos menos invasivos para o organismo humano.

-Publicidade-

A molécula, presente em um complexo de cobre, conta com propriedades de ação contra células do câncer a partir da seletividade, agindo mais sob as células tumorais do que em células saudáveis, o que pode diminuir a efeitos colaterais como a toxicidade e aumentar as chances de cura do câncer.

A descoberta faz parte do estudo realizado pelos pesquisadores do Programa de Pós Graduação em Genética e Bioquímica pela UFU e irá proporcionar novos tipos de tratamento para o câncer. As informações acima foram fornecidas pela Comunicação UFU.

Pedro Henrique Machado, aluno do Programa Pós Graduação em Genética e Bioquímica pela UFU
Pedro Henrique Machado, aluno do Programa Pós Graduação em Genética e Bioquímica pela UFU (Foto: Comunicação/UFU)

O estudo

Os testes foram realizados em laboratório, a partir de células tumorais de humanos e de camundongos. O complexo de cobre induziu a produção de um outro tipo de molécula, chamadas espécies reativas de oxigênio. As reativas de oxigênio transformaram outras células e conseguiram atingir as células tumorais, danificando seu DNA.

Os prejuízos foram tão severos que as células cancerosas entraram em um processo de morte celular programada, chamado tecnicamente de apoptose.

Nas próximas etapas da pesquisa, os bioquímicos pretendem desenvolver maneiras para colocar a molécula dentro de nanocápsulas. O processo permitirá que o medicamento seja liberado diretamente nas células tumorais.