Pesquisadores criam máscara para combater coronavírus: veja como funciona

Pesquisadores israelenses criaram uma máscara autolimpante capaz de vencer o vírus por meio de uma corrente elétrica fornecida por um carregador de celular

Resumo da Notícia

  • A máscara possui uma entrada USB que se conecta a uma fonte de energia, como um carregador de celular padrão
  • Ela aquece uma camada interna de fibras de carbono a 70 graus Celsius, temperatura alta o suficiente para eliminar vírus
  • A máscara foi desenvolvida por cientistas da Faculdade de Ciências e Engenharia de Materiais da Technion
A máscara também pode ajudar a reduzir o impacto ambiental (Foto: Getty Images)

Pesquisadores israelenses criaram uma máscara autolimpante capaz de combater o coronavírus por meio de uma corrente elétrica fornecida por um carregador de celular. A máscara possui uma entrada USB que se conecta a uma fonte de energia, como um carregador de celular padrão, que então aquece uma camada interna de fibras de carbono a 70 graus Celsius, temperatura alta o suficiente para eliminar vírus.

-Publicidade-

Segundo a UOL, o processo de desinfecção leva cerca de 30 minutos. Os pesquisadores alertam que o dispositivo não pode ser usando enquanto estiver conectada no carregador. A máscara também pode ajudar a reduzir o impacto ambiental, uma vez que, com o uso em massa e o descarte inadequado, as similares descartáveis, que geralmente levam anos para se degradar, estão poluindo o planeta.

A máscara foi desenvolvida por cientistas da Faculdade de Ciências e Engenharia de Materiais da Technion, em Haifa. O grupo de engenheiros já fez um pedido de patente nos EUA e espera vendê-la por US$ 1 (cerca de R$ 5,20). O professor Allon Moses, especialista em doenças infecciosas do Centro Médico Hadassah de Jerusalém, disse que “não há dúvida” de que a exposição de meia hora ao calor de 70 graus mataria o coronavírus. Mas ele alertou que aquecer repetidamente a máscara pode “danificar o papel ou tecido da máscara e estragar sua capacidade de proteção de doenças no futuro”.

-Publicidade-

-Publicidade-