Por que a 99 e o motorista não informaram a identidade de Rodrigo Mussi logo após o acidente? Tentamos esclarecer essas e outras dúvidas

O ex-BBB ficou 10 horas como desconhecido no Hospital das Clínicas, em São Paulo. Família e amigos não conseguiam informações. Esse caso nos faz pensar: estamos realmente seguros com esse tipo de serviço?

Resumo da Notícia

  • O acidente de Rodrigo Mussi levantou uma série de dúvidas sobre o procedimento de segurança dos aplicativos de transporte
  • Depoimento dado pelo motorista à polícia mostra contradições ao que realmente aconteceu
  • Quais canais de contato existem nas plataformas e o que poderia ter sido feito?
 

O acidente que envolveu o ex-BBB Rodrigo Mussi começou a levantar uma série de dúvidas sobre o procedimento de segurança adotado por empresas de aplicativo de transporte. O ocorrido aconteceu por volta das 4h e apenas às 16h a família conseguiu saber sobre a fatalidade.

-Publicidade-

O que aconteceu durante esse período de 10 horas? Por que o serviço de aplicativo 99 não informou os dados do passageiro acidentado ao hospital? Outra pergunta que também levantamos foi: por que o celular de Rodrigo ficou sob custódia do motorista e não entregue às autoridades? Essas e outras questões nos levaram a tentar entender qual o protocolo de segurança para todos os usuários deste tipo de plataforma. Até que ponto é seguro?

Segundo informações divulgadas pelo jornalista Leo Dias, o motorista do veículo, Kaique Faustino Reis, de 24 anos, disse à polícia que aceitou a corrida de Rodrigo à 1h30 da madrugada, em Osasco (SP). Com base na versão de Kaique, a corrida teria duração de três horas, o que seria impossível, já que o trajeto duraria aproximadamente 30 minutos.

Imagens mostram Rodrigo Mussi entrando no carro às 3h25
Imagens mostram Rodrigo Mussi entrando no carro às 3h25 (Foto: Reprodução/TV Globo)

Outro dado onde a informação do motorista pode indicar contradição é que câmeras de segurança registraram o momento exato em que Rodrigo embarca no carro. Imagens obtidas pelo Fantástico mostram que eram 3h25 quando o ex-BBB iniciou a corrida. Novamente: bem depois das 1h30 da madrugada.

Imagens da câmera de segurança mostram últimos momentos antes de Rodrigo sofrer o acidente
Imagens da câmera de segurança mostram últimos momentos antes de Rodrigo sofrer o acidente (Foto: Reprodução/TV Globo)

Além disso, no momento em que Rodrigo Mussi foi socorrido, ele não havia sido identificado por Kaique e acabou sendo admitido no hospital como um desconhecido. Mas o motorista sabia o nome do passageiro, já que informou à polícia ao dar o depoimento na manhã do acidente. Isso porque os motoristas por aplicativo recebem os nomes dos passageiros ao aceitar corridas nas plataformas. Ou seja: Kaique poderia ter informado o nome de Rodrigo aos socorristas — bastava apenas ter conferido essa informação no aplicativo.

Outra possibilidade de informar e descobrir a identidade do passageiro é acessar uma área do próprio aplicativo que indica o contato com a central de atendimento da 99. O aplicativo da 99 oferece, dentro da parte de “configurações”, uma série de recursos para reportar um leque de problemas que podem ter acontecido durante a corrida com o motorista ou com terceiros. Por exemplo, dentro da própria plataforma há um número de 0800 para ligar caso haja algum incidente durante e depois do trajeto.

Rodrigo Mussi segue internado no Hospital das Clínicas (Foto: reprodução/Instagram/@rodrigo.mussi)

A reportagem da Pais&Filhos entrou em contato com a 99 via assessoria de imprensa para solicitar um posicionamento em relação à conduta da empresa em casos de acidentes. Foram feitas as seguintes perguntas: O motorista chegou a informar a 99 sobre o acidente do Rodrigo? A 99 informou as autoridades que o Rodrigo Mussi era passageiro e sofreu o acidente? Se não, qual o motivo? Qual o protocolo da 99 quando o passageiro e/ou motorista sofrem acidentes e são levados ao hospital? Até o fechamento desta matéria, não tivemos retorno da 99. O espaço permanece aberto para eventuais esclarecimentos.

Segundo informações da coluna LeoDias, a 99 não queria repassar as informações à família de Rodrigo Mussi. No entanto, após intervenção da polícia, a empresa irá repassar os dados.

Bens pessoais de Rodrigo Mussi: celular

De acordo com apuração feita pela coluna do jornalista Leo Dias, os documentos e aparelho de Rodrigo não foram encontrados pela perícia policial. Foi Kaique quem ficou com o celular do ex-BBB. O motorista não atendeu as ligações dos amigos e familiares de Rodrigo durante a quinta-feira, que tentaram por diversas vezes saber informações, já que estranharam a ausência dele em compromissos agendados. Quando os parentes recuperaram o aparelho, o celular indicava que havia sido alvo de tentativas de desbloqueio. Aí fica uma outra dúvida: por que o motorista demorou tanto tempo para dar as informações que sabia?

A Polícia Civil de São Paulo abriu um inquérito para investigar o acidente e apura o caso como lesão corporal culposa na direção de veículo automotor (quando não há a intenção de causar o acidente). Segundo informações da coluna LeoDias, após as contradições no depoimento original de Kaique Reis, a polícia também fará um novo depoimento. O motorista será chamado para a 51ª Delegacia de Polícia (Butantã) ainda nesta terça-feira, 5 de abril. Aguardamos novas informações sobre o caso.

Sobre o acidente

O ex-BBB Rodrigo Mussi, de 36 anos, sofreu um acidente de carro na Marginal Pinheiros, em São Paulo, durante a madrugada do dia 31 de março. Rodrigo estava como passageiro de um carro de transporte por aplicativo, da 99, quando sofreu o acidente. O motorista do veículo admitiu à polícia que havia dormido antes de bater o automóvel na traseira de um caminhão que trafegava num acesso à Marginal Pinheiros.

Rodrigo Mussi está internado no Hospital das Clínicas, onde passou por duas cirurgias após sofrer traumatismo craniano e múltiplas fraturas — seu estado de saúde é considerado estável.