Prisões de São Paulo criam canil para detentos cuidar de animais abandonados

É comprovado que os animais despertam o melhor em nós, e a justiça de São Paulo decidiu reintegrar os detentos com os cachorros de rua

Resumo da Notícia

  • Prisões de São Paulo vão aderir a canis
  • Detentos poderão cuidar dos animais que foram abandonados
  • Depois dos cuidados os animais podem ser adotados também

É fato que os animais despertam o melhor em nós, nos ensinam a amar e cuidar do próximo. Junto aos peludos nós recebemos melhoras na autoestima, redução de estresse, aumento da sociabilidade e desenvolvimento de habilidades afetivas, eles amam incondicionalmente.

-Publicidade-

Por isso, a Justiça de São Paulo resolveu apostar nessa relação entre humanos e animais para o avanço no processo de reintegração social de pessoas nos presídios do Estado. Dois centros de detenção do Estado de São Paulo, nas cidades de Tremembé e Taubaté, já possuem canis que abrigam animais que estavam abandonados nas ruas.

Os detentos irão cuidar dos animais que foram abandonados
Os detentos irão cuidar dos animais que foram abandonados (Foto: Getty Images)

Os Centros de Controle de Zoonoses da região foram os responsáveis pelo resgate dos bichinhos que passaram a receber os cuidados dos presidiários que se encontram em regime semiaberto. A alimentação dos animais, limpeza das dependências do canil, banho e tosa e o carinho aos bichinhos, tudo isso é com os prisioneiros. Os animais são previamente castrados e vacinados antes de irem para o novo local.

O objetivo principal é que os detentos cuidem dos animais temporariamente, já que os pequenos são levados semanalmente para feiras de adoção responsável. De quebra, os adotantes ainda ganham uma casinha para seus novos bichinhos de estimação, construídos por presos de uma terceira penitenciária paulista, localizada na cidade de Caraguatatuba. Assim, as pessoas avançam no processo de reintegração social, os cãozinhos são bem cuidados e ainda têm a chance de conseguir um novo lar a cada semana.