Professor dá aula de inclusão ao pular corda com aluno no colo e gesto emociona família

Heitor teve trombose com apenas 7 dias de vida. Hoje, graças ao trabalho de Gean, o menino pode aproveitar a educação física como qualquer outra criança

Resumo da Notícia

  • Um professor viralizou nas redes sociais com um gesto de inclusão
  • Ele segurou o aluno no colo para que a criança pulasse corda
  • O vídeo emocionou a família do menino, diagnosticado com paralisia cerebral

O vídeo de Gean Sampaio, de 26 anos, emocionou não apenas milhares de pessoas na internet, mas também a família de Heitor, seu aluno de apenas 6 anos que sofre de paralisia cerebral. Isso porque no registro que viralizou, o professor deu uma aula de inclusão escolar ao aparecer segurando o menino no colo para que ele pudesse pular corda assim como as demais crianças.

-Publicidade-

Além de carregar o aluno, nas imagens é possível assistir Gean auxiliando Heitor em um circuito de pequenos obstáculos. Porém, o detalhe que mais chamou atenção dos internautas foi o largo sorriso estampado no rosto do menino enquanto ele aproveitava as atividades de educação física em uma escola de Londrina, no Paraná. Para ver este conteúdo, clique aqui!

 

O professor emocionou milhares de pessoas com o vídeo
O professor emocionou milhares de pessoas com o vídeo ( Foto: Reprodução Instagram @geansampaiio)

“A acompanhante que fica com o Heitor na escola disse que a cena estava muito bonita e decidiu gravar. Eu publiquei nas redes sociais e deu no que deu, nessa repercussão, com gente mandando mensagem em espanhol, inglês e até árabe. A intenção era mostrar como é possível incluir as crianças nas brincadeiras com os demais alunos. Quem me escolheu como professor foi o Heitor e não eu quem o escolhi como aluno. Ele me deu uma abertura muito grande para que a gente tenha essa relação”, disse Gean com exclusividade ao portal do UOL. 

Já a família de Heitor afirma não se conter de felicidade com a repercussão. “Acho ótima essa relação e o esforço do professor em colocar o Heitor nas atividades. A família fica muito feliz por essa dedicação e esperamos que continuem com esse envolvimento”, respondeu Priscila Veronezi de Oliveira, de 37 anos, mãe do menino.

Priscila conta ainda detalhes sobre o diagnostico do filho. Segundo ela, com apenas sete dias de vida, Heitor teve uma trombose que resultou em um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e que se desdobrou em uma paralisia cerebral, quadro clínico que se encontra hoje.