Família

Que absurdo! Funcionária grávida faz xixi na roupa após ser proibida de usar o banheiro no trabalho

A justiça condenou o empregador a pagar R$5 mil de indenização pelo caso

Emily Santos

Emily Santos ,filha de Maria Teresa e Francisco

Grávida ganha R$5 mil de indenização na justiça (Foto: Getty Images)

A rede comercial WMS Supermercados do Brasil LTDA (Walmart) foi condenada pela 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) a indenizar em R$ 5 mil uma ex-funcionária que, grávida, foi proibida de ir ao banheiro durante o expediente. A mulher acabou se urinando e teve que ficar molhada até o fim do horário de trabalho.

O caso aconteceu em Capão da Canoa, no Rio Grande do Sul, com Roberta de Oliveira, que  trabalhou no supermercado entre dezembro de 2013 e agosto de 2014.

A desembargadora Rosane Serafini Casa Nova classificou o caso como dano moral porque “os efeitos da ação afetam o bem estar, a normalidade da vida, a reputação, a liberdade e o relacionamento social, provocando angústia, dor, sofrimento, tristeza ou humilhação na vítima, trazendo-lhe sensações e emoções negativas”.

Além disso, a decisão também reconheceu a estabilidade provisória no emprego, desde a demissão até os 5 meses após o nascimento do bebê, já que Roberta foi demitida quando estava grávida.

Assim, a decisão publicada em fevereiro determinou o pagamento dos salários e outras verbas decorrentes do período entre a demissão até o período de cinco meses pós-parto, além de aviso prévio de 33 dias.

Em nota, O Walmart afirmou que “considera o fato ocorrido um absurdo e que fere todos os princípios de respeito às pessoas da empresa”

O grupo ainda diz em nota que vai acatar a decisão judicial.

Leia também:

Mãe batiza a filha sem conhecimento do pai e é condenada a pagar bem caro

Médica causa lesão corporal em bebê durante parto domiciliar e é condenada

Shopping é condenado a pagar R$ 1 milhão por inviabilizar amamentação