Família

Que tal levar a democracia para dentro de casa? Pode ser ótimo para o seu filho

Conheça um método que funciona muito bem com as crianças

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Ari Honarvar, que escreve para a revista Parents, teve uma infância diferente: assim que ela estava começando o jardim de infância, as mulheres do Irã perderam o direito de usar o que queriam. Em questão de semanas, a liberdade de pensamento e as escolhas de estilo de vida também se tornaram um problema e foram até mesmo sujeitas à perseguição. Rapidamente, ela aprendeu a guardar suas opiniões e obedecer à autoridade como se a vida dependesse disso.

Por conta do que ela viveu em sua infância, Ari segue um estilo de paternidade mais democrática. Por exemplo, exceto pela segurança, todas as regras e diretrizes familiares podem ser desafiadas. A porta para um debate é sempre aberta e se o filho apresentar um argumento convincente para ajustar uma regra ou apresentar uma nova, ela implementa essas mudanças.

Wyatt Fisher, psicólogo e conselheiro matrimonial, argumenta que se a paternidade democrática também não incluir limites efetivos com consequências, que talvez as crianças ajudem a se preparar, as crianças podem ser mimadas e autorizadas. Então, para nos ajudar a chegar em um quadro de democracia adequada, Ari e seu marido usam exemplos de suas experiências em negócios e facilitação. Veja três maneiras de fazer isso funcionar:

Reuniões familiares regulares 

Uma vez por semana, faça uma reunião de família para discutir como vocês estão sendo para a sociedade. Para torná-los mais impactantes, crie rituais. Na casa de Ari, eles acendem uma vela e soam um sino para começar a reunião. Para dar a cada pessoa a oportunidade de expressar seus pensamentos sem interrupção, eles usam um bastão para falar.

Para famílias com vários filhos, Michele Moore, uma conselheira profissional licenciada de Albuquerque, Novo México, sugere dar aos pais o poder de veto. Ela também incentiva os pais a encontrar maneiras de garantir que os irmãos sejam igualmente ouvidos.

Nessas reuniões semanais, cada pessoa passa a compartilhar sua visão de como cada um está como família e como podem melhorar. É importante também discutir contribuições individuais, deficiências (e como superá-las) e metas.

Listas de verificação 

Mantenha uma lista de verificação matinal para garantir que tudo esteja em ordem antes de sair para a escola e o trabalho. Isso evitará falhas e diminuirá a correria do dia a dia. Uma boa ideia é agendar um despertador diário para quando as tarefas devem ser concluídas e escrever um contrato explicando as consequências de não terminar a tempo.

Responsabilidade através de “contratos”  

Seja por esquecimento ou não levar as promessas a sério, você perceberá que, às vezes, seu filho não cumprirá com as coisas que ele disse. Ari sugere que vocês escrevam e assinem “contratos” que declaram suas responsabilidades. Assim, seu filho assinará o “contrato” e, caso ele não cumpra as tarefas, ele já estava sabendo das consequências antecipadamente.

“Embora nossas estratégias tenham se mostrado eficientes e gratificantes, há desafios”, conta Ari. Viver em uma família democrática requer tempo e energia. Isso requer aperfeiçoar as habilidades de comunicação. “Mesmo com todos os desafios, é um estilo recompensador de educar os filhos. As crianças crescem, desenvolvendo habilidades-chave de comunicação e um senso de responsabilidade”, acrescenta.

Leia também:

Casal pode se divorciar para ter condições de cuidar da saúde da filha

3 dicas para o seu filho se comportar bem dentro e fora de casa

Chega de estresse: A hora da lição de casa pode ser divertida, sim!