Rápido e fácil: 5 dicas simples que podem melhorar a alimentação do seu filho

É importante cultivar bons hábitos na mesa de jantar desde a infância; as escolhas podem trazer consequências para o resto da vida

Resumo da Notícia

  • Construir um relacionamento saudável com a comida é uma jornada que começa na infância
  • Os hábitos alimentares exigentes dos seus filhos irão prejudicá-los à medida que eles amadurecem
  • Aqui estão algumas dicas para levar uma mentalidade positiva para a hora das refeições

Construir um relacionamento saudável com a comida é uma jornada que começa na infância. Não importa o que esteja no cardápio, você precisa se preocupar se os hábitos alimentares exigentes dos seus filhos irão prejudicá-los à medida que eles amadurecem. Embora a fase das “frescuras” seja normal, praticar a paciência nessas horas pode ser um desafio.

-Publicidade-

Aqui estão algumas dicas para levar uma mentalidade positiva para a hora das refeições:

1. Livre-se da pressão

Os especialistas ensinam como melhorar os hábitos (Foto: Getty Images)

Embora fazer seu filho comer verduras seja uma batalha difícil, muitos especialistas sugerem uma abordagem neutra na hora das refeições. Isto é, deixar que os pequenos cheguem às suas próprias conclusões sobre os alimentos que estão comendo.

-Publicidade-

“Mantenha um ambiente positivo em torno da comida e tente livrar-se da pressão ou punição, recompensa e outras táticas de negociação que muitos pais fazem”, explica Jill Castle, MS, RDN, uma nutricionista pediatra de New Canaan, Connecticut. Estratégias como “o prato limpo”, por exemplo, tendem a sufocar a capacidade de uma criança de aprender a gostar de comida, já que assim ela não tem permissão para explorar o próprio paladar.

Os bebês são mais propensos ainda a serem exigentes com relação à comida, mas Castle diz que é essencial que você reconheça que essa é uma fase de desenvolvimento importante para a maioria das crianças. “Compreender isso ajuda os pais a responderem positivamente e com paciência aos filhos”, diz ela. “Por sua vez, isso ajuda as crianças a passarem por esse estágio e avançarem para o outro”.

Você pode estar preocupado que uma alimentação monótona resulte em problemas de saúde ou deficiências de nutrientes, mas a pesquisa mostra que um paladar médio provavelmente não trará nada preocupante. Crianças assim também podem ser menos propensas a serem obesas.

Megan Pesch, MD, professora assistente de pediatria do desenvolvimento e comportamental no CS Mott Children’s Hospital, autora sênior de um desses estudos na Universidade de Michigan, observa que evitar a negociação na hora das refeições ajuda as crianças a chegarem às suas próprias conclusões sobre os alimentos que comem. “Se minhas filhas estão com nojo da comida que estou apresentando, eu respeito isso”, diz a Dra. Pesch, mãe de três filhos. “Ainda continuo a desafiá-las, mas também respeito o que seus corpos estão dizendo a eles”.

2. Converse sobre comida

O desenvolvimento do paladar é importante (Foto: reprodução Pinterest / Parents)

No lugar das negociações ou batalhas na mesa de jantar, você precisa abrir uma linha de comunicação dinâmica e positiva em torno da comida. Castle acredita que pode ser positivo estimular a intuição de uma criança em relação à fome desde cedo. Por exemplo, bebês amamentados choram quando estão com fome, pedem para mamar e param quando se sentem saciados. Bebês desmamados também sinalizam quando precisam ser alimentados, mas os pais costumam forçá-los a terminar a mamadeira de qualquer maneira.

Quando a mentalidade do “prato limpo” atinge a mesa de jantar, algumas crianças até resistem, mas outras obedecem para agradar aos pais. Ao fazer isso, eles podem realmente estar ensinando seus corpos de que precisam de mais comida, ou simplesmente desaprender a hora de parar. Esses hábitos podem impedir seu filho de ouvir seus sinais internos e complicar o relacionamento com a comida.

Castle sugere que os pais ajudem os filhos a reconhecer a fome e a saciedade, dando nome para essas sensações desde cedo e incentivando o diálogo. “Conversas sobre como você se sente depois de comer, você gostou da comida, o que você gostou, como se sente seu corpo quando você come biscoitos no lanche versus iogurte com granola ou cereal com leite – esse tipo de conversa ajuda as crianças a ficarem em sintonia com o apetite “, diz ela.

3. Dê uma variedade de opções ao longo da semana

A variedade deve ser rotina (Foto: Getty Images)

Quando seu filho está na fase do nuggets ou do macarrão com queijo pode parecer um risco apresentar algum prato novo na mesa de jantar. No entanto, a variedade é a campeã do aumento de apetite.

Aceite o desafio e coloque uma variedade de alimentos, sabores e texturas na mesa a cada refeição. Embora seja mais realista ter pelo menos um elemento já conhecido, ofereça outras variedades e deixe a curiosidade da criança ir preenchendo seu prato lentamente.

Expor uma nova comida por vários dias é um elemento-chave do processo. Quanto mais eles veem um determinado vegetal ou carne na mesa, mais familiar e curiosa a criança se torna com aquele item. Enquanto para alguns o número mágico pode ser de sete a oito refeições, para outros pode demorar muito mais para despertar esse interesse. Quando eles finalmente decidirem colocá-lo no prato, deixe-os decidir quanto vão comer – se é que vão comer.

“Ter comida na mesa perto deles ou mesmo tolerar ter a comida no prato – mesmo que eles não comam – é uma vitória”, diz o Dr. Pesch. Também é uma boa ideia tentar ser criativo se tiver tempo. “Não são apenas brócolis cozidos no vapor aparecendo oito vezes”, diz Castle. “É sopa de brócolis, brócolis com molho, brócolis assado, refogado – os brócolis aparecem de muitas maneiras, formas, formas e sabores diferentes.”

4. Traga as crianças para a cozinha

Elas vão amar! (Foto: Getty Images)

Quando as crianças atingem a idade escolar, muitas gostam de participar da culinária e tentar algumas receitas. Fazer com que seus filhos participem da preparação de uma refeição – mesmo que seja algo simples como mexer um molho ou jogar um ingrediente – pode trazer uma nova luz para a mesa de jantar.

“Se você é uma criança e se depara com uma caçarola de feijão verde, muitos vão dizer que parece estranho e é meio nojento. Mas se a criança está envolvida no preparo da comida, isso acaba com o mito de onde veio e o que estão comendo “, diz o Dr. Pesch.

Cozinhar pode ser uma excelente ferramenta de exploração, porque permite que os filhos se apropriem da refeição. Essa experiência compartilhada, por sua vez, pode criar uma relação positiva com a comida, pois um sentimento de orgulho e realização passa a ser associado à hora das refeições. Mesmo com as filhas do Dr. Pesch, essa conexão com a comida foi estabelecida cedo.

“Com minhas garotas [antes da pandemia], elas iam ao supermercado comigo e compravam seus próprios vegetais especiais. E ficavam tipo: ‘Sim! Estas são minhas cenouras!’. E elas me ajudavam a prepará-los “, diz ela.

5. Seja o exemplo

Pais devem ser exemplos, sempre! (Foto: Getty Images)

Como acontece com todos os aspectos quando você é pai, dar o exemplo pode ser o componente mais crucial para estimular uma relação positiva com a comida. Você deve reservar algum tempo para refletir sobre sua própria relação com os alimentos, bem como em seus hábitos alimentares.

“Se os pais enfrentam problemas com comida o tempo todo – seja fazendo dieta ou comendo compulsivamente, comendo demais ou sendo extremamente exigentes com a comida – qualquer uma de suas próprias lutas alimentares refletirá em seus filhos”, diz Castle. “É importante que os pais tenham uma relação positiva com os alimentos, ou pelo menos finjam até que comecem, e tentem ser um modelo positivo em relação aos alimentos.”

Os hábitos alimentares pouco saudáveis ​​em adultos podem tornar difícil para as crianças aceitarem uma relação positiva com a comida – mesmo que vocês não estejam exercendo essas mesmas pressões diretamente sobre elas. Atue como uma influência positiva na hora das refeições, sendo aventureiros com os alimentos que desejam que seus filhos comam, apreciando as refeições e escolhendo uma dieta balanceada.

 

Como mãe e pesquisadora, a Dra. Pesch tentou seguir as regras quando se trata de promover os hábitos alimentares de suas filhas. Sua família tenta se limitar a carnes magras, vegetais e grãos inteiros, e evita alimentos processados ​​tanto quanto possível. Mas, no final das contas, seus filhos ainda pedem nuggets de frango e macarrão com queijo – os mesmos alimentos que a maioria das crianças quer.

“Acho que há muita pressão social para dizer que você é um bom pai porque seu filho come vegetais e carnes magras. Não acho inteiramente que seja culpa dos pais”, diz ela. Embora algumas restrições sejam necessárias na dieta de uma criança, observa o Dr. Pesch, há maneiras mais positivas de abordar escolhas mais saudáveis. “Faz parte de ensinar a seu filho que alguns alimentos são melhores para você do que outros e, como família, encontrar o seu próprio equilíbrio quando se trata de escolhas não saudáveis”, acrescenta ela.

-Publicidade-