Relato de mãe: “Congelamos o cérebro da nossa filha pois acreditamos que ela vai voltar à vida”

Em Bangkok, na Tailândia, uma mãe e o marido Sahatorn, optaram por preservar o cérebro da falecida filha criogenicamente após a morte devastadora de câncer no cérebro. O relato virou documentário da Netflix

Resumo da Notícia

  • O casal esta contando com a ajuda da empresa de "extensão de vida" Alcor, no Arizona, EUA, para realizar o procedimento, tornando a filha a pessoa mais jovem a ser preservada com a tecnologia
  • A menina passou por 10 cirurgias, 12 rodadas de quimio e 20 rodadas de radiação, mas não conseguiu vencer o câncer
  • O relato virou documentário na Netflix (assista o trailer)

Em Bangkok, na Tailândia, uma mãe e o marido Sahatorn, optaram por preservar o cérebro da falecida filha criogenicamente após a morte devastadora de câncer no cérebro em 2015, pouco antes do terceiro aniversário. Eles agora esperam que Matheryn, que era conhecida como Einz pelos entes queridos, um dia volte à vida, conforme os avanços das futuro.

-Publicidade-
Mãe segura o vestido de sua filha contra o peito enquanto ora (Foto: Reprodução / The Sun)

Na época, a menina foi diagnosticada com o câncer agressivo poucos meses antes da trágica morte – despertando no pai, Sahatorn, a determinação de lhe dar outra chance na vida. Depois de meses pesquisando desesperadamente maneiras de salvá-la, ele decidiu que a maior esperança era a criogenia (onde um corpo inteiro ou cabeça é congelada usando nitrogênio líquido), até que uma maneira seja encontrada para trazê-la de volta à vida no futuro.

O casal gravou um vídeo para a filha, caso ela volte a viver no futuro (Foto: Reprodução / The Sun)

Apesar da menina parecer saudável nos primeiros dois anos de vida, um dia ela não conseguiu acordar de manhã – provocando alguns meses agonizantes para a família enquanto ela lutava contra um câncer cerebral agressivo. “Eu gostaria de poder tomar seu lugar, tirar sua dor … Sempre senti que nada de ruim poderia acontecer a ela porque sua mãe está aqui para protegê-la”, diz Nareerat, segundo o The Sun.

-Publicidade-

Einz passou por 10 cirurgias, 12 rodadas de quimio e 20 rodadas de radiação, mas não conseguiu vencer o câncer. Percebendo que não havia esperança de curar a filha, Sahatorn começou a pesquisar a criogenia, na esperança de convencer a esposa de que ela poderia oferecer a filha uma nova vida no futuro. O casal esta contando com a ajuda da empresa de “extensão de vida” Alcor, no Arizona, EUA, para realizar o procedimento, tornando a filha a pessoa mais jovem a ser preservada com a tecnologia.

O tanque onde o cérebro de Einz agora está armazenado (Foto: Reprodução / The Sun)

Sahatorn e Nareerat decidiram tentar outro bebê depois que o primeiro filho, Matrix, falava muito sobre o desejo de ter um irmão. E quando se tratou de conhecer a  irmã mais nova, Matrix disse para a câmera: “Acho que chorei de tanta felicidade!”

Os pais contam a história comovente por trás da decisão pouco convencional, no novo documentário da Netflix, Hope Frozen: A Quest To Live Twice. No documentário o pai fala sobre o processo de convencer a família sobre o procedimento.”Podemos parar o processo de morrer? Sim. Você acredita que podemos pará-lo? Isso é o que eu tenho que mostrar para minha família”, disse. O documentário já está disponível na Netflix.

Sahatorn e a esposa se ajoelharam em frente ao barril com o vestido da filha (Foto: Reprodução / The Sun)

O casal começou a gravar vídeos para a filha, com esperança de ver no futuro, enquanto organizava uma equipe da Alcor para voar para a casa na Tailândia – para estar lá quando Einz falecesse. A criança morreu tragicamente em 8 de janeiro de 2015, pouco antes de completar três anos, com a família ao redor dela em casa.

Confira o trailer do documentário

-Publicidade-