Relato de mãe: “Me casei e tive duas filhas com o meu meio irmão”

Eduarda e Giovane começaram a namorar sem saber que eram meio irmãos, no entanto, quando foram apresentar as famílias eles descobriram que havia um empecilho para o amor dos dois

Resumo da Notícia

  • Eduarda contou a história de como conheceu o marido e a vida atual do casal
  • Eles descobriram que eram meio irmãos por parte de pai e hoje tem dois filhos juntos
  • A família já aceita bem o casal e todos conseguem perceber o quanto eles se amam

Eduarda contou como conheceu o marido e pai de seus dois filhos, que na verdade é seu meio irmão. Ela contou que tudo começou de maneira convencional (surpreendentemente). A dupla se conheceu na escola, quando ela tinha 14 anos e ele 17, um belo dia, depois de várias mensagens trocadas, segundo a Marie Claire, o atual casal decidiu sair para um encontro duplo e Eduarda se surpreendeu com o primeiro beijo dos dois, que foi quando eles decidiram sair mais vezes para ver o que que iria rolas depois daí.

-Publicidade-

“Ficamos juntos três meses, mas não deu muito certo. Acontece que, depois de alguns meses separados, começamos a nos encontrar na casa de amigos em comum e descobrimos que gostávamos mesmo um do outro. Depois de quase dois anos de namoro, em 2009, ficamos noivos. E, para oficializar o novo status, marcamos um jantar na minha casa para aproximar nossas famílias que, até então, não haviam tido muito contato. Ele queria pedir a minha mão em casamento para meu pai, como manda o figurino”, contou ela sobre a história dos dois.

O casal vive uma vida feliz e na maioria da vezes nem lembram que são irmãos (Foto: Getty Images)

Eduarda contou o choque da família ao se conhecer, e se chocou com a reação da mãe dela ao conhecer a sogra. “Notei que minha mãe arregalou os olhos quando a apresentei à minha sogra, mas minha ansiedade era tanta que nem dei bola. Minutos depois, ela me chamou no quarto e perguntou se aquele era mesmo o pai biológico de Giovane. Não tinha aquela informação, mas acreditava que sim. Ela contou então que já conhecia dona Inês, a minha sogra. No passado, as duas haviam trabalhado juntas em uma empresa de alimentos. E tinha mais. Disse que dona Inês tinha sido casada com meu pai biológico, com quem eu nunca tive muito contato, e os dois haviam se separado quando ela estava grávida ou o com um bebê recém-nascido — ela não se recordava direito. Minha mãe teria começado então a se relacionar com meu pai e, três anos depois, eu nasci. E aí veio a bomba: se fosse mesmo ela, Giovane poderia ser meu meio irmão”.

-Publicidade-

Depois da conversa de mãe e filha, a menina se acalmou e voltou para o jantar, no entanto a mãe de Eduarda não havia perdido a curiosidade e perguntou à Inês se ela já havia namorado o Jair Nunes na década de 80. “Nitidamente ofendida, minha sogra negou. E aí foi a maior treta. Minha mãe insistiu que era ela, sim, e levantou a suspeita que nós poderíamos ser irmãos. Falou tudo isso assim, na lata. Na mesa, ninguém respirava. Ela dizia que era filho biológico de seu marido, enquanto meu sogro permanecia em silêncio”, descreveu Eduarda.

Giovane ficou em choque ao descobrir que o sogro não era seu pai biológico (Foto: iStock)

“Dona Inês então decidiu se explicar. Assumiu que havia sido casada com o meu pai, mas disse que estava saindo com meu sogro na época em que eles estavam juntos. Em seguida, foi embora”, adicionou a jovem. Em meio a discussão Giovane ficou em choque que o homem que o havia criado durante 20 anos poderia não ser o seu pai biológico. A família, por fim, decidiu fazer o exame de DNA para descobrir se o namorado de Eduarda era mesmo seu irmão. “Foram dias de espera bem difíceis, sentimentos aflorados, medo, insegurança. Mas parecia que o nosso amor só se fortalecia”, contou ela.

Quando saiu o resultado a família ficou em choque ao descobrir que Giovane não era filho biológico do sogro de Eduarda. “A partir dali nosso mundo virou de cabeça para baixo. Começou, então, uma pressão psicológica danada para nos separamos. Minha mãe me proibiu de sair de casa para não encontrar Gil, queria me fazer esquecê-lo a todo custo”, contou a jovem.

“Após algumas semanas, começamos a nos encontrar às escondidas. Mas minha mãe descobriu e confusão foi tanta que saí de casa e resolvemos morar juntos. Tempos depois, ela viu que não conseguiria me separar do Gil e acabou cedendo, mesmo a contragosto. Aos poucos, no entanto, ela foi amansando. Nos ajudou a montar nossa casa, assim como dona Inês, e, assim, começamos a nossa vida de casados. Só lembrávamos do fato de sermos meio irmãos quando alguém mencionava”, explicou Eduarda.

A gravidez e o parentesco

No entanto, em 2010, Eduarda sentiu pela primeira vez que o parentesco dos dois poderia trazer problemas para relação, tendo em vista que em dezembro desse ano ela havia descoberto estar grávida da primeira filha do casal. “Sabíamos que, por sermos parentes, nosso filho poderia nascer com alguma deficiência ou problemas de saúde. Foi um turbilhão de emoções. Sentíamos um misto de felicidade pela chegada da criança e medo de ela nascer com algum problema mais sério”, contou ela.

“Fomos, então, em busca de um médico para dar início ao pré-natal. Nos indicaram o Dr. João Manoel Arnt, que foi um anjo em nossas vidas. Ele nos explicou que o fator genético é uma loteria e que, assim como muitos casais normais tem filhos com alguma deficiência, nós poderíamos ter um bebê perfeitamente saudável. Por sorte, nenhum exame apontou qualquer problema e, com 19 semanas de gestação, descobrimos que teríamos uma menina”, disse Eduarda com extrema felicidade.

O casal fico muito contente com a gestação, mas preocupados com o parentesco (Foto: Getty Images)

A menina nasceu com 33 semanas, mas apesar da prematuridade nasceu perfeitamente saudável, mas teve que ficar na UTI neonatal para controlarem o peso da pequena e para ela fazer exames. Logo após isso a dupla entrou em uma briga feia por culpa da intromissão da sogra na vida do casal.

“Giovane saiu de casa por uma semana e acabou saindo com uma outra colega nossa, da época do colégio. Logo reatamos, ele voltou pra casa e, seis meses depois, essa mulher o procurou falando que estava esperando um filho dele”, disse Eduarda, que adicionou: “Foi mais um balde de água fria. Justo quando tudo, finalmente, parecia estar bem, veio mais essa bomba. Depois que a bebê nasceu fizeram o exame de DNA , que confirmou a paternidade do Giovane. Minha filha e ela tem apenas nove meses de diferença”.

“Temos uma família linda e um relacionamento de cumplicidade, amor e respeito. Somos apaixonados um pelo outro, qualquer um que nos conhece percebe isso. Minha filha Sara está com 9 anos. Luma, filha do Giovane, está com 8 e a nossa caçulinha, Valentina, 3”, contou ela com extrema felicidade com o que a dupla alcançou.