Relato de mãe: “Minha filha amadureceu muito quando virou irmã mais velha e eu não estava preparada para isso!”

Com apenas 3 anos de idade, a menina mudou de um bebê para uma criança madura assim que a mãe atravessou a porta com o recém-nascido nos braços

Resumo da Notícia

  • Esse relato de mãe mostra como as crianças crescem ao virar irmãos mais velhos
  • Com apenas três anos ela criou muitas responsabilidades com a chegada do recém-nascido
  • Como mãe, ela não estava preparada para essas grande mudança
Lidando com o crescimento repentino das crianças (Foto: Getty Images)

“Eu estava me preparando para o momento que minha filha de 3 anos iria entrar pelo quarto do hospital e conhecer a nova irmã. Eu esperava que meu coração fosse transbordar de amor pelas duas juntas, mas quebrar um pouco quando minha mais velha descobrisse que teria que dividir esse amor. Eu aprendi que seu coração pode realmente crescer para outra criança e dividir o amor igualmente. Talvez tenha sido a falta de sono, por conta do meu trabalho de parto que aconteceu no meio da madrugada, mas consegui atravessar o momento com tranquilidade. Até mesmo quando minha filha se debruçou para beijar a cabeça da irmã pela primeira vez, consegui segurar as lágrimas.  

-Publicidade-

Mas quando eu atravessei a porta de casa, após dar à luz a minha segunda filha, eu não estava preparada para como eu enxergaria minha primogênita a partir de agora. Ela estava me esperando para dar as boas-vindas, era como se as pernas dela tivessem alongado e o rosto ficando mais largo. Enquanto meu marido segurava a irmã mais nova, que dormia calmamente, eu disse adeus ao meu primeiro bebê. 

Meu marido e eu vivíamos em nossa casa durante um ano antes de dar á luz a primeira filha. Antes dela chegar, a casa parecia espaçosa até demais. Os quartos ostentavam pisos de madeira recém-encerados, e um vazio parecia pairar sobre eles. Mas, depois que ela chegou a casa se tornou algo diferente. Se tornou aconchegante e importante. Se tornou o espaço que eu carregava ela, cuidava dos fortes soluços. A sala de estar foi o cenário dos primeiros passos, a varanda, onde ela experimentou os primeiros sólidos – purê de damasco que ela adorou amassar e bagunçar. 

-Publicidade-

Mesmo durante minha gravidez ela continuou sendo meu bebê. Quando estava 7 meses grávida, eu ainda a levantei, ainda que de forma desajeitada, depois que ela arrancou o dedo do pé durante um jogo de perseguição com meu marido. Suas longas pernas envolveram sem esforço em volta da minha cintura. Mas o som do seu polegar chupando, a sensação de suas lágrimas quentes escorrendo pelo meu pescoço, deixe-me acreditar que ela ainda era meu bebê.

Nós tentamos prepará-la para a nova integrante da família, explicando que os bebês não fazem muita coisa no início, faziam coco, dormiam e comiam. Eu até comecei a chamar ela de moça, mas não queria acreditar que ela era uma. Pelo menos não por enquanto. Eu estava enganando-a a pensar que ela era, apenas para prepará-la para o bebê.

Quando cheguei nos 8 meses de gestação, compramos uma cama maior para pode usar o berço dela para o novo bebê. Senti algo dentro de mim quando meu marido desmontou o berço, e ela ficou sentada assistindo da cadeira, animada por sua cama de “menina grande” ocupar o quarto. Mas mesmo com essa grande mudança, eu ainda a via como um bebê, com os trilhos de metal branco mantendo-a segura na cama. Quando me aconcheguei com ela na cama nova, ela ainda tinha aquele cheiro quente de bebê bem na nuca. Eu consegui me convencer de que ela estava fazendo o papel de criança grande.

Ao me aproximar do meu nono mês de gravidez, expliquei a ela que ela poderia acordar uma manhã e encontrar um amigo da família aqui, em vez de mamãe e papai. “Estaremos no hospital recebendo sua irmã!”, eu sorri com excitação forçada. “Tudo bem”, disse ela com naturalidade. Passei tanto tempo preparando minha filha para a mudança que estava prestes a ocorrer que esqueci de me preparar.

Dois dias após o nascimento da minha segunda filha, chegamos à nossa casa por volta das 11 horas da manhã. Eu sabia que por trás da porta minha filha estava esperando nossa chegada. Mas isso era tudo que eu sabia. Eu não tinha ideia do quanto meu mundo mudaria naquele simples momento de entrar pela porta.

Ainda um pouco instável, fraca pelo esforço do parto, entrei devagar. Meu marido colocou a cadeira do bebê ao lado da minha filha. A luz ainda pairava acima da minha cabeça. A mesa da sala ainda estava cheia de cartas do correio, barras de chocolate esquecidas e chaves extras.

Mas na minha frente havia uma criança que não reconheci. Ela ainda chupava o polegar por conforto, mas dentro de nossa casa com o bebê dormindo ao lado dela, ela se transformou. Não era mais uma criança, mas uma criança esbelta e responsável. A casa não apresentava mais sons de bebê – estava pronta para algo novo. As escadas agora rangiam sob seus passos mais pesados ​​e intencionais. Suas sombras contra as paredes azuis da sala, projetadas pela luz do sol que entrava pelas janelas, agora eram mais longas.

Quando engravidei, minha filha de 3 anos estava prestes a se despedir da sua fase de filha única, mas nunca esperei que a transição fosse tão drástica – com o simples ato de entrar em casa. Mesmo com o novo bebê, eu não estava pronta para deixar o meu primeiro. E assim, mesmo que seus calcanhares batam nas minhas canelas quando ela se senta no meu colo, eu ainda enterro meu rosto na nuca, fecho meus olhos e encontro o cheiro de recém-chegada”.

-Publicidade-