Relato de mãe: “Minha sogra se recusa a usar o nome que eu escolhi pro meu filho”

Ela decidiu usar as redes sociais para fazer um desabafo depois de perceber que a avó do bebê não o chamava da forma correta, mas sim, com um apelido inventado por ela

Resumo da Notícia

  • Mãe faz relato depois de sogra se recusar a usar nome do filho
  • Ela contou que a mulher criou um apelido para o neto e só se dirige a ele dessa forma
  • Veja o relato

O relacionamento com os sogros pode ser algo complicado. Existem muitas pessoas que conseguem desenvolver uma amizade incrível com a família do parceiro, mas muitos não têm essa sorte. Foi o que aconteceu com essa mulher, que decidiu usar as redes sociais para pedir ajuda aos internautas depois que percebeu que a sogra estava se recusando a chamar o filho pelo verdadeiro nome dele.

-Publicidade-
Ela pediu conselho para os internautas (Foto: Unsplash)

Como apontado pelo jornal britânico Mirror, os pais decidiram dar ao filho recém-nascido o nome do sogro da mulher, como uma homenagem ao avô. O nome do meio do bebê também veio da família do marido: ele serviu como homenagem ao irmão da sogra, tio do marido, que já faleceu. Os dois nomes, como dito pela mulher, são bem comuns.

Justamente por serem nomes comuns, a mulher pensou que ninguém teria grandes problemas com eles. Mas não foi isso que aconteceu. A sogra não gostou nem um pouco das homenagens e se nega a chamar o neto pelo nome verdadeiro dele. Em vez disso, apelidou-o de “bebê anjo” e usa esse nome para tudo: chamar a criança, falar sobre ele, escrever em cartões de presente.

-Publicidade-

No Reddit, a mãe explicou toda a situação. “Bem, meu sogro e minha sogra estão divorciados há 14 anos. Ela odeia ele, é claro. Ela só viu nosso filho algumas vezes devido à Covid-19, mas percebi em uma das visitas que ela estava se referindo a ele apenas como “aquele bebeê” ou “boo boo”. Ela também usou essas palavras quando eu estava falando com ela. Foi então que ela decidiu mandar um presente para ele e quando o pacote chegou na nossa casa percebemos que estava endereçado ao “bebê anjo””, começou ela contando.

A mulher, então, decidiu conversar sobre a situação com o marido. “Falei com meu marido e, na vez seguinte que a vismos, ele tentou convencê-a a dizer o nome de nosso filho, mas ela não quis. Então, meu filho já está com quase 10 meses e minha sogra nunca o chamou pelo nome. Ela aparentemente não suporta pronunciar o nome do ex-marido, mesmo quando se refere a uma pessoa totalmente diferente. Eu quero que meu marido a questione, mas não tenho certeza se essa é uma luta que vale a pena travar. Ela vai apenas fingir que somos loucos em resposta, tenho certeza”, continuou ela.

Depois de publicar o relato, a mulher voltou para fazer algumas edições e adicionou mais alguns detalhes sobre a história. “Discutimos os nomes que foram escolhidos ao meu filho com minha sogra muito antes do nascimento dele. Ela disse que não gostou de termos escolhido o nome do meu sogro, mas que tudo bem, porque entende que o filho dela (meu marido) ama muito o pai. Além disso, ela ficou bem contente e emocionada com o fato de nós querermos homenagear o irmão dela”, completou, perguntando aos internautas quem estava errado na situação.

Os internautas se dividiram nas opiniões. “Como avó de 9 anos, posso dizer que só chamo meus netos pelo nome de batismo sempre que eles ultrapassam os limites. Não é porque eu tenho algo contra seus nomes, mas isso é só no que muitos avós fazem. Essa realmente não é uma batalha pela qual vale a pena se arriscar”, opinou uma. “Brincando de advogado do demônio … Não me referi ao meu filho pelo nome até ele ter cerca de 1 ano. Eu não sei por que parecia quase estranho chamá-lo pelo nome dele. Eu esperaria até que ele ficasse mais velho para perguntar para ele se é um problema. Mas, eu não gostaria de brigar por isso. Pelo menos não ainda”, disse outro.

Alguns internautas, no entanto, defenderam a posição da mulher. “Sua sogra deve te escutar. Vocês são os pais, contanto que o nome não prejudique a vida social dos seus filhos ou as perspectivas de emprego no futuro, a decisão do nome depende de você. Ela não tem direito de se envolver nisso”, escreveu um.