;
Família

Relato de mãe: “Viemos sem cama, mesa, um real no bolso e com um bebê na barriga”

Conheça a história de Ramone Loyola

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: Arquivo Pessoal)

(Foto: Arquivo Pessoal)

Como sempre, nossa colunista Kuki Bailly compartilha histórias de transformação e empreendedorismo do grupo Rededots, idealizado por ela. Dessa vez a escolhida foi Ramone Loyola, mãe de três crianças que largou tudo para abrir seu próprio negócio – que não deu muito certo. Atualmente ela inspira pessoas com suas dedicatórias e de quebra ainda ajuda no orçamento da família. Vem conhecer a história dela:

“Em 2013 larguei os papéis do departamento jurídico para dar atenção ao meu filho Cris. Eu simplesmente não dava mais conta. Me sentia uma fraude nesse negócio de bater ponto e frustrada longe do meu bebê – que nessa época ainda era filho único.

Meu marido e eu tínhamos esperanças em um negócio de enxoval lá no interior de São Paulo. Investimos tudo e perdemos tudo. Depois disso, sem choro e chorumelas, era a hora de voltar pra Sampa. Viemos sem cama, mesa, um real no bolso e com um bebê na barriga – sim, porque a vida aqui é com emoção! Zac estava a caminho.

Fomos morar na casa da avó do meu marido, que na época precisava de muito cuidado e amor de toda a família. Ela lutava para sair da cama entre um perrengue e outro da quimioterapia. Dona Ivanir foi generosa em nos ceder um cantinho na casa dela, foi uma troca danada.

Meu marido conseguiu um trabalho em um bicicletário e conseguia arcar com as nossas despesas. Ele trabalhava dia sim e dia não, o que era muito bom porque dividíamos os afazeres da casa, da criação dos meninos e dos cuidados com a vó e não ficava pesado pra ninguém. Mas nosso sonho naquele momento, além da avó melhorar, era termos nossa própria casa.

Já trabalhei um bocado com CLT, mas estava em um momento totalmente envolvida com a criação. E para ajudar em casa, comecei a ofertar meus serviços de faxina, babá e quebra-galho no Facebook. Até que me indicaram
o grupo da Rededots. Escrevi minha apresentação e terminei com “chama a Mone”. Dali em diante o fenômeno de transformação sucedeu.

Muita gente me chamou, até para comer pizza com a família me convidaram, me enviaram mensagens de incentivo.
Foi um clarão nas ideias absurdas e um reconhecimento que precisava para dar ânimo. Fiz parcerias e me ajeitei em um freelance de orgânicos.

Comecei a escrever e assim nasceu meu projeto Dedicatórias. Hoje tenho um site de serviços lá no marketplace e me sinto próxima de gente que assim como eu, busca e acredita em um mundo melhor. Em resumo, a Rededots me trouxe mais estabilidade e momentos com minha família.

Hoje, trabalho na casa que alugamos e posso cuidar dos meus três filhos pequenos – Noemi chegou! – sem me preocupar em ter que deixá-los com terceiros, se eles vão estar agasalhados, alimentados, nutridos de amor. E também me fez reconhecer uma alternativa feliz de ser quem sou e ver minha estrela brilhar com milhares de outras, porque afinal, o legal é quando todas brilham juntas!”

Leia também:

Mãe larga tudo para ficar com os filhos: “Posso crescer e me expandir”

Após ser demitida, ela se reinventou e criou um marketplace de produtos e serviços

3 razões pelas quais as mães já nascem empreendedoras