Relato: “Descobri que meu namorado é meu primo após ganhar teste de DNA de presente”

A mulher, que não tem contato com o pai e a mãe é adotada, contou a história no TikTok e disse que ficou surpresa ao ver o nome do agora ex-parceiro na lista de parentes

Resumo da Notícia

  • No começo do mês Matilda compartilhou com os internautas que o namorado tinha dado de presente de aniversário um teste de DNA pra ela
  • Mas ficou surpresa ao descobrir que o namorado, segundo o site, era provavelmente um primo de 3º grau, que compartilhava com ela um mesmo tataravô
  • Sendo filha de uma mãe adotada e sem contato com o pai, ela queria muito saber sobre a própria árvore genealógica

Um teste de DNA pode ser um ótimo presente para alguém que não conhece muito sobre a própria história familiar, mas ele pode acabar sendo um tiro pela culatra por evidenciar algumas verdades incomôdas. Como foi o caso da Matilda, que contou história sobre isso no perfil do TikTok.

-Publicidade-

No começo do mês ela compartilhou com os internautas que o namorado dela tinha dado para ela de presente de aniversário um teste de DNA. “Meu namorado me deu um daqueles kits de teste de DNA – minha mãe é adotada e eu nunca conheci de verdade o meu pai”, explicou.

“Então eu estava mais interessada sobre a parte da saúde, para ver se tinha alguma coisa que eu devia tomar cuidado”. Enquanto o namorado decidiu comprar um para Matilda, ele também comprou um para ele, já que os testes estavam em promoção.

A mulher descobriu que o namorado é na verdade primo ao ganhar teste de DNA de presente de aniversário (Foto: Reprodução/ TikTok)

“Então nós recebemos os resultados do nosso teste 1 mês depois e eu estava olhando para os meus parentes, porque a única pessoa que eu sei que sou parente é a minha mãe, eu desci a lista, olhei pro meu namorado e disse: ‘Isso é meio estranho, eu sou parente de uma pessoa com o seu nome'”, continuou.

E foi assim que ela descobriu que o namorado era na verdade seu primo. Em um vídeo de continuação ela comentou que tinha terminado com o agora ex e que o site apontava que eles eram provavelmente primos de 3º grau, que compartilhavam um mesmo tataravô.

“Com base nas informações da pesquisa, bem como na porcentagem de DNA que eu e o meu ex compartilhamos (que era um pouco alto para sermos primos de 3º grau), tenho quase certeza de que somos primos de segundo grau minha bisavó paterna”, concluiu.